Vale a pena apostar no aparelho ortodôntico


A escolha de um bom ortodontista é essencial para a obtenção do melhor resultado

 Sejam coloridos, prateados, brancos ou transparentes – estes, praticamente invisíveis – , os aparelhos ortodônticos são cada vez mais utilizados por crianças, adolescentes, adultos e pessoas na terceira idade. Dependendo do caso, o tratamento pode ser mais ou menos prolongado. De fundamental importância para a obtenção do melhor resultado funcional e estético é a escolha do profissional ortodontista, certificado pelo Conselho Federal de Ortodontia (CFO).
 
Antes da  determinação de quais opções fixas e/ou móveis de aparelhos serão necessárias, o paciente é submetido a análises minuciosas, a fim de detectar a origem do problema dentário, facilitar o trabalho e garantir a segurança e os resultados do tratamento. Procedimentos como radiografia panorâmica e molde da arcada dentária são essenciais e fazem parte da análise do caso. Hábitos pessoais costumam ser levados em conta, como a utilização excessiva de chupeta e mamadeira na infância, roer unhas, dormir com as mãos embaixo do rosto ou apresentar bruxismo (ranger de dentes). Estes e outros fatores podem acarretar alterações no arco dentário, disfunções ou problemas na articulação temporomandibular (ATM). 
 
Uma vez definido pelo ortodontista que a melhor maneira de corrigir a arcada dentária é através do aparelho ortodôntico fixo, por exemplo, vem a necessidade de se decidir sobre o melhor tipo de “bracket” – aquela peça colada ao dente. Ele pode ser metálico (ainda o mais comum no Brasil), de policarbonato, de cerâmica (colorida ou não), de porcelana, de safira ou lingual (colocado na parte de trás dos dentes).
 
Para quem deseja disfarçar o uso do aparelho fixo, as opções mais recomendadas são os brackets de porcelana ou o tipo lingual – são os mais discretos.
 
Independentemente da indicação, a manutenção, a visita constante ao ortodontista e os cuidados higiênicos devem ser rigorosos, além das pequenas restrições alimentares durante os períodos de adaptação.
 
Por: AgComunicado