Vacina contra o HPV


Agora, homens também podem se prevenir

Em maio deste ano, a ANVISA(Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou a aplicação da vacina que combate o HPV para meninos e homens, de 9 a 26 anos. A vacina, que até pouco tempo era recomendada apenas para mulheres, não está disponível na rede pública, apenas na privada, com o custo de R$ 900.

O New England Journal of Medicine (EUA)- uma das principais publicações médicas do mundo- publicou um estudo que comprova a  eficácia da vacina na redução de 90% das lesões genitais externas e também nas ligadas aos tipos 6, 11,16 e 18 do vírus. Os dois últimos (16 e 18) tem elevado no Brasil  o índice dos tumores de boca e da garganta (orofaringe), transmitidos através do sexo oral.

A grande parte dos tipos de HPV não causa sintoma e desaparece espontaneamente sem tratamento, o que pode significar que muitas pessoas podem não saber que são portadoras. O vírus pode ficar no organismo, sem apresentar sintomas, por anos.

Diferentemente de outas DST's, o HPV não carece de fluidos ou secreções orgânicas e a contaminação pode ser pele a pele. O uso de camisinhas durante relações sexuais diminui o risco, mas não elimina totalmente o risco de transmissão.

Um estudo recente, publicado na revista cientifíca The Lancet, analisou homens saudáveis do Brasil, México e Estados Unidos e mostrou que, aproximadamente 50% já foram infectados pelo HPV. Outros estudos apontaram que além de causar lesões, o HPV pode gerar verrugas na região genital.

O Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São paulo Octavio Frias de Oliveira) informou que 60% dos casos de câncer de orofaringe atendidos em 2010 estavam relacionados ao HPV. O vírus é causador de quase 100% dos casos de câncer de colo de útero e de 50% do câncer de pênis.

 

Por: Agência Comunicado