Ultrassom simples pode evitar danos renais no pós-operatório!


A lesão renal aguda não só afeta a qualidade de vida dos pacientes, mas também aumenta os custos de saúde e aumenta o risco de morte após cirurgia de grande porte.

 
 
A lesão renal aguda, em que os rins de repente param de funcionar corretamente, é uma condição potencialmente grave, que muitas vezes segue de cirurgia de grande porte e provoca sérias complicações para os pacientes. Agora, pela primeira vez, os investigadores mostram que o tratamento com ultrassom de antemão pode ajudar a prevenir o problema em ratos.
 
 
Mark Okusa e Joseph Gigliotti, da Universidade de Virgínia, relatam suas descobertas no Journal of the American Society of Nephrology. O Dr. Mark Okusa disse à imprensa: "Os nossos estudos usando ultrassom não invasivo agora fornecem um tratamento ativo que parece ser simples, eficaz e não tóxico para a prevenção de lesão renal aguda”.
 
 
"Para nosso conhecimento, este fato nunca foi descrito para a prevenção da lesão do tecido ou órgão", ele conclui. A lesão renal aguda está se tornando cada vez mais uma complicação comum em pacientes que realizam uma grande cirurgia. Isto ocorre porque, por vezes, durante a cirurgia de grande porte o fluxo normal de sangue para os rins é interrompido. 
 
 
A lesão renal aguda não só afeta a qualidade de vida dos pacientes, mas também aumenta os custos de saúde e aumenta o risco de morte após cirurgia de grande porte, observam os autores. Um estudo publicado em 2008 mostrou que o risco de morte persiste em pacientes cardíacos mesmo após a alta do hospital.
 
 
Para seu estudo, os pesquisadores expuseram ratos anestesiados para um ultrassom 24 horas antes de interromper o fornecimento de sangue para os rins. Eles usaram o mesmo tipo de aparelho que os médicos usam para captar imagens de ultrassom regulares. 
 
 
Uma vez que o fluxo de sangue foi restaurado, eles descobriram que a saúde dos rins dos animais havia sido preservada. Outro grupo de ratos que receberam um tratamento placebo não mostrou uma saúde renal preservada: seus rins mostrou lesão significativa.
 
 
Em uma análise mais aprofundada, os pesquisadores descobriram que o ultrassom parece ter estimulado o baço a produzir uma resposta anti-inflamatória, que protegia os rins. Os pesquisadores acreditam que os mecanismos que causam a lesão renal aguda pode também ser responsável por danos similares aos do pulmão, coração e fígado, e que este tipo de tratamento poderia evitar lesões em outros órgãos também.
 
 
Especialistas sugerem que o estudo oferece numerosas possibilidades promissoras, pois existem muitos procedimentos que carregam um alto risco de lesão renal aguda. O progresso também está sendo feito em predizer quais pacientes pós-operatórios estão em maior risco para lesão renal aguda. 
Henrique Torres