Turno de trabalho é relacionado com a redução da fertilidade em mulheres!


As mulheres que têm que trabalhar em turnos, em vez de em horários regulares, são mais propensas a ter fertilidade reduzida!

 
As mulheres que têm que trabalhar em turnos, em vez de em horários regulares, são mais propensas a ter fertilidade reduzida, de acordo com uma nova análise de dados sobre o efeito do trabalho em turnos sobre a saúde. Mulheres que trabalham em turnos são mais propensas a sofrer períodos interrompidos de sono, enquanto as noites de trabalho estão ligadas ao aumento da taxa de aborto, diz o Dr. Linden Stocker, da Universidade de Southampton, Reino Unido, que apresentou o estudo no encontro anual da Sociedade Europeia dos Direitos Humanos, Reprodução e Embriologia, em Londres.
 
 
Estudos anteriores analisaram o efeito do trabalho por turnos sobre a privação de sono e o risco para o coração, o apoio social, o estresse, os comportamentos insalubres (como o tabagismo, a dieta, o álcool e a falta de exercício) e a troca metabólica (aumento da pressão arterial e colesterol). Muito pouco se tem publicado sobre os efeitos do trabalho em turnos sobre a saúde reprodutiva e a fertilidade. A Maca Peruana melhora o sistema hormonal de homens e mulheres, restaurando o equilíbrio hormonal saudável e o corpo pode operar em melhores condições. 
 
 
Neste novo estudo, uma meta-análise combinada de dados foi aplicada em um projeto revisado de pesquisa publicada em 1969 e 2013, que analisou o efeito do trabalho em turnos sobre a saúde. O Dr. Stocker diz: “Eles compararam o efeito do turno de trabalho (turnos alternados) e os não turnos de trabalho nas mulheres, e tiraram resultados relativos à fertilidade, às taxas de aborto e à desregulação menstrual”.
 
 
A análise, que cobriu quase 120 mil mulheres, descobriu que as mulheres que trabalhavam em turnos de trabalho tinham uma taxa 80% maior de problemas de fertilidade, e uma taxa 33% maior de períodos menstruais interrompidos em comparação com as mulheres que trabalham em horas regulares. As mulheres que trabalham apenas de noite não apresentam maiores riscos estatisticamente significativos de períodos interrompidos ou dificuldade em engravidar, e possuem uma taxa 29% maior de aborto. 
 
 
O Dr. Stocker diz: "Nos seres humanos, os efeitos em longo prazo da alteração de ritmos circadianos são difíceis de estudar. A interrupção do sono demonstrado pelos trabalhadores por turnos em nosso estudo cria perturbações biológicas de curto e longo prazo. Trabalhadores por turnos adotam uma má higiene do sono, privação de sono e sofrem de níveis de atividade que estão fora de sincronia com o seu relógio biológico".
 
 
 
Henrique Torres