Tuberculose ainda é desafio para países em desenvolvimento


Tosse seca ou com catarro por mais de quatro semanas pode ser sinal da doença

Uma boa notícia: no seu Relatório de Controle Global da Tuberculose 2011, a  Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que os casos de  tuberculose no mundo caíram pela primeira vez em dez anos. Em 2010, 8,8 milhões de pessoas tiveram tuberculose e 1,4 milhão de pessoas morreram da doença. Em 2005,  9 milhões de pessoas adoeceram. O número de mortos chegou a 1,8 milhão em 2003, o maior até o momento.

Altamente contagiosa, a tuberculose é uma doença muito comum na America Latina, Caribe, África, Ásia, Europa Oriental e Rússia. A bactéria causadora desta doença – o Bacilo de Koch (BK) - afeta e destrói os pulmões, levando a pessoa a tossir e expulsar a bactéria que. ao se espalhar pelo ar, pode ser inalada por outras pessoas. Assim, a transmissão ocorre de pessoa a pessoa. Além dos pulmões, a bactéria pode atingir outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges.

Algumas pessoas podem não apresentar sintoma nenhum, mas outros preferem ignorar o principal sinal que indica a presença desta doença: a tosse seca. Contínua no início, apresenta secreção e transforma-se, na maioria das vezes, em uma tosse com pus ou sangue. Entre os demais sintomas estão: cansaço excessivo; febre baixa no final da tarde; sudorese noturna; falta de apetite; palidez; perda de peso; rouquidão e prostração.

Nos casos mais graves há dificuldade para respirar e o doente elimina uma grande quantidade de sangue, com acumulo de pus na pleura (membrana que reveste o pulmão) e dor no tórax.

Para combater a tuberculose é preciso utilizar antibióticos que, se tomados conforme a orientação medica,  constituem um tratamento 100% eficaz. Para ficar completamente curado, só depois de seis meses. O que acontece, no entanto, é que os pacientes se sentem mais restabelecidos com o passar do tempo e deixam de tomar a medicação como devem. Por isso, para evitar o abandono do tratamento, é essencial ter o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiros e assistentes sociais.

A vacina BCG é a melhor forma de prevenir a doença. No entanto, crianças com HIV ou recém-nascidas com os sintomas da Aids não devem receber a vacina. A prevenção inclui também evitar lugares com aglomerações, especialmente ambientes fechados, como shoppings centers, e não utilizar objetos de pessoas com a doença.

A estimativa é que existam no Brasil mais de 57 milhões de pessoas infectadas pelo bacilo da tuberculose. Pessoas com HIV/ AIDS, diabetes, insuficiência renal crônica (IRA), desnutridas, idosos doentes, alcoólatras, viciados em drogas e fumantes são mais propensos a contrair a tuberculose.
 
Por: AgComunicado