Tratamento de reações alérgicas pode ser mais eficaz


Após a descoberta de que algumas proteínas auxiliam e controlam o impacto das reações alérgicas no organismo, é possível tratar com maior exatidão as pessoas alérgicas, proporcionando maior qualidade de vida.

Pesquisadores identificaram proteínas que controlam o impacto das reações no organismo.
 
As alergias manifestam diversos tipos de reações, que variam das mais leves, como a rinite ou sinusite e as mais severas, que podem levar até ao choque anafilático, provocando o inchaço, a obstrução das vias aéreas superiores e hipertensão, que podem ser fatais. 
 
Atualmente, os tratamentos contra os diversos tipos de alergias, são muito limitados. De acordo com especialistas, os medicamentos que tratam os sintomas da hipersensibilidade, atuam somente numa pequena quantidade de dezenas de moléculas que são liberadas durante a reação alérgica. 
 
As reações podem ocorrer de diversas formas, dentre as mais comuns, estão às irritações na pele, dificuldades respiratórias, inchaços, causadas pelo mesmo mecanismo que ao ser exposto a algum alergênico, faz com que o organismo ative o sistema imunológico. No entanto, os mastócitos, que ficam por todo o corpo, entendem que o sistema imunológico foi ativado por engano e libera moléculas biologicamente ativadas, que são responsáveis pela reação inflamatória.
 
Em um estudo realizado na Universidade de Israel, TelAviv, pesquisadores descobriram que existe um grupo de 60 proteínas, responsáveis pela distribuição de proteínas pelo corpo e que 30 dessas proteínas, determinam como as células reagem aos alergênicos. Com esses resultados, os pesquisadores puderam analisar o impacto dessas proteínas no organismo, de maneira a identificar se essas proteínas inibem ou ativam o processo alérgico. 
 
A especialista, responsável pelo estudo que aplica essa nova metodologia, que permite modificar os mastócitos para que as proteínas responsáveis pelas reações, possam ser identificadas, garante que pesquisadores podem criar medicamentos capazes de quebrar os elos cruciais entre as cadeias dessas proteínas, que resistem as substâncias dos medicamentos já utilizados. 
 
O antiinflamatório e antialérgico Dexametasona (Decadron), têm sido muito recomendado para pacientes que apresentam reações alérgicas constantes.
Médicos acreditam que quando a descoberta de uma cadeia de eventos que levam às reações alérgicas pode ser compreendida, medicamentos que inibem a reação inicial poderão ser desenvolvidos, de forma que possam atuar na fonte da reação e não apenas nos sintomas.