Terapia de Imeglimin e Sitagliptina Mostra Benefícios Significativos na Diabetes Tipo 2


Veja como estas duas novas terapias podem ajudar a combater a diabetes tipo 2.

Terapia de Imeglimin-sitagliptina mostra benefícios significativos na Diabetes tipo 2


Imeglimin, um composto novo, está sendo desenvolvido para tratar a diabetes de tipo 2 e mostrou uma eficácia crescente como uma terapia de complemento a sitagliptina, em pacientes inadequadamente controladoas por monoterapia de sitagliptina, em um ensaio de fase II, conduzido por Poxel SA.


O estudo realizou seu principal ponto de extremidade de superioridade na redução de açúcar de sangue níveis (HbA1c), em comparação com um placebo. A redução da HbA1c e FPG são fundamentais para controlar o diabetes .O estudo de fase II analisou as vantagens de adicionar imeglimin à sitagliptina em 150 indivíduos. Resultados do ensaio mostrou que pacientes tratados com terapia de imeglimin-sitagliptina tiveram 0,73% de diminuição de HbA1c após 12 semanas, em comparação ao grupo placebo.


A terapia de imeglimin-sitagliptina, que mostrou segurança e tolerabilidade grande, foi mais benéfica para pacientes que o tratamento placebo de sitagliptina. Além desta terapia outras são possíveis, como o tratamento com Victoza.


O Professor Valdis Pirags, investigador principal, disse: "Estou contente por ver este estudo e seus pontos finais de reuniões. Imeglimin é eficaz como terapia de complemento a sitagliptina com um perfil de segurança/tolerabilidade grande. Combinability associado a segurança é essencial para novos produtos em combater o tipo 2 diabetes".


O tratamento mostrou resultados impressionantes neste estudo, disse o Professor Harold Lebovitz, um proeminente membro do Conselho Consultivo Científico na Poxel. "Confirmam a atratividade do Imeglimin para reguladores e prescritores do futuro: a molécula é original e demonstra a sua grande eficácia potencial em monoterapia como em combinação com as duas moléculas mais importantes sobre o arsenal de tratamento hoje, a Metformina e a sitagliptina".
 
Henrique Torres