Sinais, Diagnóstico e Tratamento da Acalvaria


Veja os sinais, o diagnóstico e possíveis tratamentos desta doença rara que atinge um em cada cem mil fetos!

Existem quatro sintomas principais de Acalvaria. Ausência dos ossos chatos da caixa craniana, da dura-máter e dos músculos associados, anormalidades do crânio, e a ausência da tampa do crânio. Esta condição pode ser diagnosticada antes do nascimento usando ultrassonografia. De forma resumida, a doença ocorre por, em vez de ter uma tampa de proteção do cérebro do crânio, existe apenas pele cobrindo-o. 
 
 
Os médicos costumam usar a ressonância magnética para confirmar o diagnóstico, porque no útero, a Acalvaria muitas vezes é confundida com anencefalia ou encefalocele. A diferença distinguível é que, com anencefalia, os hemisférios cerebrais estão faltando, mas com Acalvaria, todas as partes do crânio são normalmente presentes e desenvolvidas.
 
 
Normalmente os bebês com esta malformação não sobreviviam ao nascimento no passado. No entanto, já houve casos de sobrevivência. A partir de 2004, haviam apenas dois casos relatados com vida. Desses dois, um foi gravemente retardado e deficiente. O estado do outro não foi declarado. Se o feto progride, existe o risco de que o mesmo terá trauma na cabeça a partir da pressão aplicada na cabeça no parto. Os outros poucos casos de Acalvaria que têm sido relatados, não progrediram para o nascimento. Além disso, a tampa do crânio falta, há malformações cerebrais presentes, e de todas as gravidezes foram terminadas ou os fetos foram espontaneamente abortados.
 
 
Como esta má formação é rara e poucas pessoas sobrevivem, o tratamento é limitado. O tratamento consiste em administrar cuidadosamente a condição de uma maneira controlada. Realizar um enxerto de osso quando a criança atinge a idade escolar também é recomendado.
 
Henrique Torres