Saiba quais são os efeitos das bebidas energéticas


Quando ingeridas em excesso, elas podem ocasionar sérios efeitos colaterais

 

As bebidas energéticas estão cada vez mais populares no Brasil e em outros lugares do mundo. O consumo dessa bebida, favorita entre os “baladeiros” e workaholics, aumenta em até 20% em época de carnaval. 
 
Industrializadas em latas de, em média, 200 a 250 ml, elas contém um alto teor de cafeína e exatamente por isso, deixam o corpo em estado de alerta. Ela têm a capacidade de reduzir a sonolência. Por exemplo, pessoas que não estão habituadas a beber café todos os dias podem obter os efeitos do energético por até três horas. 
 
Os energéticos são compostos por um time potente no que diz respeito ao funcionamento dos neurônios. Entre os principais ingredientes, destacam-se a cafeína, as vitaminas do complexo B, a taurina e a glucoronalactona. A cafeína é um potente estimulante do sistema nervoso central, que inibe a ação da adenosina, o hormônio do sono. As vitaminas do complexo B combatem o cansaço e garantem mais tempo “na ativa”. A taurina é uma substância sintética que influencia a ação dos neurônios e turbina a disposição. E a glucoronolactona é o carboidrato que emite a energia da bebida, melhorando a atenção e o foco. 
 
É importante evitar a ingestão de energéticos após períodos de jejum, pois quando o estômago está vazio, a cafeína irrita as paredes do órgão. Portanto, pessoas que sofrem de gastrite, por exemplo,  devem evitar seu consumo.
 
A cafeína, o guaraná e outros estimulantes presentes na bebida energética aceleram os batimentos do coração. Eles estimulam uma espécie de secreção de adrenalina, traduzidos em compassos cardíacos acelerados. Com o sangue em circulação mais rápida, os tecidos pedem uma dose extra de oxigênio e há uma maior dilatação dos brônquios. 
 
A ingestão de bebidas energéticas também implica no aumento do volume de urina, uma ação que  reduz a absorção de água e de sódio nos rins. Ao consumir energéticos, deve-se também beber bastante água e evitar consumos excessivos. Importante lembrar que a mistura de bebida energética com bebidas alcoólicas é prejudicial à saúde.
 
Por: AgComunicado