Saiba como dar fim à prisão de ventre


Má alimentação, sedentarismo e alguns medicamentos estão entre os principais causadores do problema

A prisão de ventre, também chamada de constipação, é caracterizada pela dificuldade constante ou eventual de evacuar fezes. Não deve ser considerada uma doença, mas um efeito de maus hábitos alimentares, estresse ou uso de alguns medicamentos que levam o organismo a dificultar a evacuação por um período de tempo maior que o normal.

Trata-se de um mal estar bastante comum, especialmente entre as mulheres. Pode ter origem na alimentação, na ação de hormônios ou ingestão de anticoncepcionais (que alteram a flora intestinal), antidepressivos tricíclicos e até fatores emocionais. Os sinais mais frequentes são dores no estômago, mau humor, sensação de estufamento na barriga e dores abdominais.

O intestino é um dos órgãos mais importantes do corpo humano. Diversas pesquisas já revelaram que 90% da serotonina (sim, a substância responsável pelo bem estar), produzida no organismo, é originada  nele e 80% das defesas imunológicas, também!

Grande parte das consequências desse déficit no funcionamento intestinal têm ligação com as toxinas que não são devidamente eliminadas e, portanto, permanecem no organismo. Confira algumas dicas para evitar esse mal estar:

Mantenha uma alimentação rica em fibras – alimentos ricos em fibras, como cereais, frutas e verduras aceleram o funcionamento do metabolismo. Logo, eliminam a constipação intestinal.

Evite usar laxantes por conta própria – podem desregular ainda mais o funcionamento do intestino. O melhor é recorrer à orientação médica.

Pratique exercícios físicos regularmente – sejam caminhadas de 30 minutos ou exercícios mais completos, como natação ou pilates. Eles melhoram o trânsito intestinal, ajudam a obter boa forma e ainda aumentam a produção de endorfina, o neurotransmissor do bom humor.

Beba bastante água – o ideal é consumir, no mínimo, 2 litros de água por dia. É uma das formas mais fáceis e refrescantes de eliminar as toxinas do organismo.

Por: AgComunicado