Roncar tem solução!


São diversos os fatores que levam ao ronco, como excesso de peso e obstrução nasal. Mas também há vários tipos de tratamento

Quem ronca certamente atrapalha o parceiro ou colega de quarto. Mas não para por aí. O ronco intenso e frequente traz más consequências não só para o convívio social, mas para a saúde. Quem ronca não dorme bem, acorda cansado e sonolento, como se não tivesse dormido a noite toda. Pode ainda sofrer crises de apneia - o indivíduo para de respirar entre 10 e 60 segundos. Estas crises podem trazer graves consequências ao coração, aumentam as  chances de ocorrer um infarto do miocárdio, derrame (AVC), pressão alta e arritmias cardíacas.

Segundo a Sociedade Brasileira do Sono, 24% dos homens e 18% das mulheres de meia-idade roncam. Acima dos 60 anos, as estatísticas sobem para 60%, nos homens, e 40%, nas mulheres, acompanhados de episódios de apneia do sono.

São fatores de risco que contribuem para o aparecimento ou agravamento do ronco:

• Idade avançada, pois o envelhecimento vai diminuindo o tônus e elasticidade dos tecidos da garganta, o que facilita a obstrução das vias aéreas,
• Sexo masculino,
• Peso acima do ideal,
• Excesso de cansaço físico,
• Fumo e bebida alcoólica,
• Comer em excesso antes de dormir,
• Dormir em decúbito dorsal (barriga para cima),
• Refluxo gastroesofágico,
• Obstrução nasal, rinites, sinusites, pólipos nasais,
• Hiperplasia das amígdalas e adenoides,
• Uso de medicamentos para relaxar ou dormir.

O ronco pode ser brando e intermitente, mas também alto e constante. Nada mais é que a  vibração dos tecidos moles da garganta, localizados entre o palato e a língua, durante o sono. Isto se deve ao estreitamento ou obstrução nas vias respiratórias superiores, que dificulta a passagem do ar e faz com que estas estruturas vibrem. Tal estreitamento pode acontecer devido ao relaxamento da musculatura ao redor da faringe, ao excesso de tecido nessa região e à obesidade.

E as crianças também roncam! Desvio de septo nasal, rinite alérgica ou gripe podem entupir o nariz, e a criança passa a respirar pela boca e a roncar enquanto dorme. Acordam cansadas e têm dificuldade de concentração, o que interfere na aprendizagem e rendimento escolar. Também manifestam crises de apneia que podem durar de dois a três segundos.

O ronco suave pode ser tratado apenas com o controle dos fatores de risco e a posição na hora de dormir, que deve ser de lado, de preferência.

Ronco tem tratamento! Procure assistência médica especializada.

Por: AgComunicado