Rinite alérgica: como prevenir no inverno?


“O uso de descongestionantes nasais deve se cauteloso em pacientes com hipertensão arterial sistêmica, arritmias cardíacas, glaucoma e gestantes”, alerta o médico

A rinite alérgica é uma doença que não pode ser curada, todavia o tratamento do paciente acometido é contínuo e deve fazer parte do dia a dia. Com a chegada do inverno os sintomas da rinite podem surgir com maior frequência, pois durante a estação aumenta as incidências de infecções orais na população e cresce o número de contágios. 

Para tratar a rinite e livrar-se dos sintomas nessa época medidas preventivas não devem ficar de fora da rotina, recomenda o otorrinolaringologista, Dr. Pedro Geisel, do Sistema Unimed: 

“Os cuidados incluem usar roupas de cama do tipo edredons, deixar os ambientes em casa e no trabalho ventilados e expostos ao sol quando possível. Trocar as roupas de cama com frequência, de preferência 1 a 2 vezes na semana. Usar roupas adequadas ao frio, de preferência de material sintético, já que roupas de lã ou similares podem conter ácaros, mofo, agravando os sintomas de rinite alérgica”, indica. 

No inverno por conta do frio é comum as pessoas abafarem o ambiente para aquecer, seja em casa ou no local de trabalho, o que não é nada saudável e favorece a manifestação das bactérias. Principalmente, quem sofre de doenças respiratórias crônicas, como a rinite e a asma devem adotar cuidado em dobro. 

Leia também: Prevenção contra a gripe

 

Posso usar os descongestionantes nasais sempre?

Quem possui doenças alérgicas sofre grande incômodo com a obstrução das vias nasais e a coriza, mas fazer o uso contínuo dos descongestionantes não é saudável e pode até mesmo agravar o quadro. De acordo com o médico o uso dos descongestionantes são indicados para pacientes que são acometidos por resfriados, gripes e sinusite, por um período de no máximo cinco dias. 

“O uso prolongado pode causar "efeito rebote" na obstrução nasal, levando o paciente a utilizar o descongestionante mais vezes ao dia e por período cada vez maior (Rinite Medicamentosa). Além disto, o uso de ver cauteloso em pacientes com doenças, como Hipertensão Arterial Sistêmica, arritmias cardíacas e glaucoma. Deve ser evitado em gestantes”, alerta o médico.

Crise alérgicas aumentam no inverno

 

Descongestionantes caseiros resolvem?

O otorrinolaringologista considera a opção caseira segura, porém os efeitos são mais demorados e nem sempre imediatos, como o paciente deseja. “Mesmo assim, em razão da sua segurança, são de grande valia no tratamento da obstrução nasal, principalmente decorrente de infecções ou quadros alérgicos”, ressalta. 

Como exemplo de opções caseiras o especialista cita o soro fisiológico, também disponível em gotas sprays e aerossol, essências inalantes compostas por mentol e eucalipto (podem ser aplicadas com diluição em água morna) e solução caseira com soro fisiológico e bicarbonato de sódio. 

Medidas diárias podem prevenir as crises de rinite, portanto, mesmo na ausência dos sintomas o médico indica alguns cuidados diários no combate à manifestação da doença:

“A lavagem nasal diária com soro fisiológico 0,9%, mais facilmente realizada com spray ou aerossol, duas vezes ao dia, pode diminuir a incidência de infecções de vias aéreas superiores e é uma importante aliada na prevenção e tratamento das rinites”, recomenda. 

 

Vacina contra rinite existe, mas ainda é um tratamento pouco conhecido e de alto custo

A vacina para o tratamento da rinite existe desde 1990 e inúmeros estudos comprovam a eficiência na redução dos sintomas. Pesquisa realizada na faculdade de Medicina de Jundiaí confirma que a vacina pode reduzir em até 80% os sintomas. O método não está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS).

Rinite alérgica, um mal presente na vida de muitas pessoas

A OMS diz que a duração para o tratamento da doença com a vacina ainda é desconhecida, embora estudos indiquem o período de 4 a 5 anos, o que irá depender de cada paciente. O valor do tratamento varia de acordo com o local em que irá realizar, mas está em torno de 2 mil ao ano. 

A rinite é uma implicação que afeta o sono e pode comprometer a vida social do paciente. Pesquisadores consideram a vacina importante para o tratamento da rinite, principalmente entre os casos mais graves de rinite alérgica que já não apresentam melhorias com o uso dos sprays com corticoides. 

Médico apresenta medidas diárias para livrar-se das crises:

-Realizar o acompanhamento para tratamento e prevenção da rinite com seu especialista, periodicamente;

-Uso de roupas de cama sintéticas;

-Lavar bem as mãos;

-Evitar roupas de pelo e lã;

-Deixar os ambientes arejados;

-Deixar as roupas de cama e travesseiros expostos ao sol;

-Trocar de travesseiros e de colchão com maior frequência;

-Evitar objetos em casa que possam favorecer o acúmulo de mofo ou poeira (como tapetes, carpetes).

 

Participação do Otorrinolaringologista, Dr. Pedro Geisel Santos, do Sistema Unimed. 

 

Referências:

http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2016/05/18/vacina-contra-rinite-alergica-diminui-sintomas-em-ate-80-confirma-estudo.htm

Juliana Rodrigues