Remédios ficarão mais caros a partir do dia 31


Faixas de reajustes serão anunciadas pelo governo

Medicamentos como antibióticos e antiinflamatórios ficarão mais caros a partir do dia 31 deste mês. O reajuste de pelo menos 6% nestes produtos será anunciado pelo governo nos próximos dias. Os preços são controlados pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed), ligada à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Aproximadamente 20 mil apresentações de remédios ficarão mais caros. Muitos são de uso contínuo, ou usados para tratar doenças graves, e é o governo quem define o quanto devem subir a cada ano. Entre os produtos com reajustes foram autorizados estão também vasodilatadores e ansiolíticos. O reajuste de preços não é imediato. Para aplicar o aumento, as empresas fabricantes de medicamentos deverão apresentar à CMED um relatório informando os porcentuais que querem aplicar. O valor fixado pela CMED é o teto e as empresas podem fixar preços menores.

Os novos preços serão mantidos até março de 2012. Medicamentos de alta concorrência no mercado, fitoterápicos e homeopáticos não estão sujeitos aos valores determinados pela CMED e

seus preços podem variar de acordo com a determinação dos fabricantes.

O cálculo das faixas de reajuste de remédios leva em conta diferentes fatores: o IPCA acumulado entre março de 2010 e fevereiro de 2011; a competitividade no mercado, avaliada pelo nível de participação de genéricos nas vendas do segmento; e o ganho de produtividade.

Reajuste pressionará  inflação de 2011 – Os medicamentos serão mais um fator de pressão sobre a inflação de 2011. Segundo o economista-chefe do banco ABC Brasil, Luís Otávio Leal, embora esses produtos não tenham um efeito em cadeia sobre a economia - ou seja, não impactem outros produtos ou serviços -, deverão puxar para cima o índice de abril.

 

Fonte:  Agência Comunicado