Redução no consumo de leite preocupa especialistas


Com a diversificação dos alimentos, muitas pessoas estão trocando o leite por outras bebidas.

 
O consumo de leite caiu cerca de 40% nos últimos 30 anos, segundo o IBGE. As características dessa queda no consumo, deve-se a oferta cada vez maior de outras bebidas. No Brasil, essa diversificação é ainda mais constante porque a ingestão de iogurtes, refrigerantes e alimentos industrializados, aumentou bruscamente de uns tempos para cá. 
 
Outro fator que ocasiona essa diminuição do consumo de leite, é o aumento de incidências de intolerância à lactose. Sem contar que muitas pessoas estão cortando o leite das dietas por acreditar que o consumo da bebida tem relação com doenças intestinais, inflamações ou transtornos como autismo.
 
Esses malefícios do leite são contestados por especialistas, pois existem controvérsias em diversas pesquisas que associam o leite a problemas de desequilíbrio metabólico, mas também há pesquisas que comprovam que a proteína do leite pode aumentar o sistema imunológico contra o câncer de cólon. Nesse interim, é difícil bater o martelo contra o leite. 
 
De acordo com médicos que acompanham casos de pacientes que possuem intolerância ao leite, o consumo exagerado do leite integral pode estimular o acúmulo maior de gordura e elevar o aumento dos níveis de colesterol, o que também aumenta o risco de doença arterial ou renal. Já no caso de pacientes que não tem alergia à lactose, o leite é um excelente complemento, rico em nutrientes e cálcio. 
 
Por um lado, muitas pessoas também deixaram de consumir o leite, como forma de respeitar a natureza. Como é o caso dos veganos, que trocam o leite e seus derivados, por vegetais, na qual, também encontram proteínas e cálcio.
 
Em casos de pacientes que tiveram de cortar o leite da dieta, por apresentar altas taxas de colesterol, o medicamento Sinvastatina pode auxiliar na redução dessas taxas. 
 
As restrições ao leite tendem a ser realizadas com cuidados especiais, para tanto, é fundamental estar com a saúde em dia e ter acompanhamento médico antes de deixar de consumir totalmente o leite.