Queimaduras provocadas pelo sol


No longo prazo, sol em excesso leva à formação de rugas, descamação e câncer de pele

Um dos maiores órgãos do corpo humano, cuja função básica é a proteção, a pele “sofre” muito na estação mais quente do ano, precisamente por estar mais exposta aos raios ultravioleta (UVB) que, a longo prazo, danificam as células. Adultos ou crianças – ninguém está livre de sofrer queimaduras por abusar do sol.

Depois de permanecer longos períodos exposta à luz solar, a epiderme - parte mais externa da pele - engrossa e as células (melanócitos) que produzem a melanina aumentam a produção deste pigmento que confere cor à pele. Esta substância é essencial ao corpo, protegendo a pele ao absorver a energia dos raios do sol e evitando que penetrem nas camadas mais profundas dos tecidos.

Nem todas as pessoas apresentam a mesma sensibilidade à luz solar. Diversos fatores influem para ter maior, ou menor, fotossensibilidade, como o tipo de pele (se mais clara ou mais escura), o histórico de exposição prévia e até a presença de algumas doenças. Os albinos, por exemplo, que não tem melanina na pele, devem ficar distantes dos raios solares, pois podem sofrer queimaduras graves e desenvolver o câncer de pele. O mesmo vale para quem tem vitiligo. Já pessoas com pele mais escura, ao produzirem mais melanina, são mais resistentes aos efeitos negativos do sol. Alguns medicamentos como determinados antibióticos, diuréticos e antifúngicos também podem aumentar a sensibilidade ao sol. Doenças como o lúpus eritematoso sistêmico e a porfiria também favorecem reações de fotossensibilidade.

As queimaduras, o envelhecimento precoce da pele e o câncer de pele estão entre as principais consequências negativas do sol ao organismo. Pessoas muito sensíveis, mesmo se permanecerem apenas uma hora expostas ao sol, ficam com a pele vermelha, inflamada e dolorida. Podem formar-se bolhas e, depois de alguns dias, a pele começa a descamar. Febre e calafrios são sintomas comuns e, nos casos mais graves, a pessoa pode entrar em choque.

Ao primeiro ardor ou vermelhidão, não se exponha mais ao sol e alivie a dor com compressas com água fria, ou loções ou unguentos sem anestésicos nem perfumes. Medicamentos específicos, como os corticosteroides,  ajudam a aliviar a inflamação e a dor. A pele começa a se recuperar alguns dias depois, mas a cura total só ocorrerá algumas semanas depois.

Procurar um profissional médico é a melhor maneira de tratar as queimaduras provocadas pela exposição ao sol.

Por: AgComunicado