Quando os irmãos não param de brigar: o que fazer?


Fique por dentro de algumas dicas que podem ajudar

Pais com mais de um filho estão mais do que acostumados com as brigas entre irmãos. Tudo parece motivo de disputa entre as crianças, desde um brinquedo até o lugar o sofá. Como os pais podem lidar com essa situação?

Acredite, embora seja quase impossível não gritar, essa atitude não ajuda em nada a pacificar a situação, o grito de acordo com a pedagogia é um recurso que intimida, mas que não educa. O ideal é sempre conversar e se esforçar ao máximo para manter a calma. Se as crianças discutem, ofereça alternativas para que ambos se sintam satisfeitos e parem de discutir. Se o briga for por determinado brinquedo, vale sempre falar sobre a importância de compartilhar objetos e da solidariedade entre irmãos.

Estabelecer regras pode ajudar. Se for um caso de um querer ver um desenho e o outro não concordar, crie uma regra: Hoje um assiste um desenho e amanhã o outro e os dois podem assistir juntos.

Cuidado com as intervenções. Só entre em cena se as crianças não conseguirem se resolver sozinhas ou se chegar ao ponto de se agredirem fisicamente. Aliás, é comum que uma das partes traga um relato do ocorrido à mãe, geralmente conversar com as crianças é a  melhor solução e não é interessante ouvir apenas um lado do ocorrido, aliás, alguns pais ouvem a reclamação de um dos irmãos e sem questionar o outro já surgem com punições, o que pode incitar ainda mais a “rivalidade” entre os irmãos. 

Orientar as crianças a dividir o que têm é essencial. Um dos maiores motivos de conflitos geralmente está na questão de um não querer dividir o que é seu com o outro. Vale sempre conversar e expor que embora os objetos sejam de um ou de outro, é importante que compartilhem. Vale lembrar que a brincadeira é mais legal e divertida quando há mais de uma pessoa.

Controlar o tom de voz é essencial, como já foi mencionado, assim como é importante agir com justiça quando for necessário, não é correto proteger o “mais fraco” quando é este o agente da discussão. Não faça diferença entre os filhos no momento da discussão, independentemente da idade, aquele que está errado precisa compreender o erro.

Se um dos filhos costuma ser o autor das discussões os pais precisam controlar o impulso da comparação que pode gerar na criança a sensação de que o irmão é o mais amado ou preferido e isso pode até mesmo incitar ainda mais discussões e sentimento de inimizade entre os irmãos.

Não é fácil controlar quando as crianças começam a discussão, mas é importante tentar manter a calma e seguir algumas dessas dicas.

 

Daiana Barasa