Psoríase: é possível, sim, viver bem com a doença


No mundo, mais de 125 milhões de pessoas vivem com a doença. No Brasil, são mais de 5 milhões, entre homens e mulheres

A psoríase é uma doença crônica inflamatória da pele, não é contagiosa e as causas ainda não são totalmente conhecidas. Acredita-se que além da influência da herança genética, fatores como o estresse, baixas temperaturas, uso de determinados medicamentos, abuso do álcool e infecções da garganta podem desencadear a doença. Tanto homens como mulheres convivem com esta doença, principalmente antes dos 30 e depois dos 50 anos de idade, mas pode se manifestar em qualquer momento.

Pessoas com psoríase apresentam lesões de cor avermelhada, espessadas e descamativas, que aparecem na forma de placas no couro cabeludo, cotovelos e joelhos. Mas podem se espalhar por todo o corpo e atingir, inclusive, as articulações.  Existem vários tipos de psoríase, que variam com a localização e as características das lesões. São elas:

• Psoríase Vulgar: o tamanho dessas lesões varia de tamanho, são bem delimitadas e avermelhadas, com escamas secas e aderentes, de cor prateada ou acinzentada. Aparecem no couro cabeludo, joelhos e cotovelos;
• Psoríase Invertida – as lesões são de cor vermelha, são leves e aparecem principalmente nas dobras, como axilas e virilhas;
• Psoríase Gutata – esta lesões são pequenas, na forma de gotas, e aparecem no tronco, braços e coxas;
• Psoríase Eritrodérmica – é a forma mais conhecida e grave, com lesões que ocupam até 75% do corpo, ou mais;
• Psoríase Ungueal – se manifesta principalmente nas unhas das mãos, endurecendo-as e descolando-as da pele;
• Psoríase Artropática – em 8% dos casos compromete as articulações. Surge de repente, provocando dores nas pontas dos dedos das mãos e dos pés, ou nas grandes articulações, como o joelho.
• Psoríase Pustulosa – as lesões apresentam pus, e surgem nos pés e nas mãos ou se espalham pelo corpo;
• Psoríase Palmo-plantar – as lesões aparecem como fissuras nas palmas das mãos e plantas dos pés.
• Não há como curar ou prevenir a psoríase, mas há tratamento com o uso de medicação local (pomadas) ou oral, para os casos mais graves. Pessoas com psoríase devem manter a pele sempre bem hidratada e tomar banhos de sol de forma moderada, antes das 10 horas da manhã e após as 16 hs. Evitar o desgaste emocional e o estresse são também essenciais no controle da doença.

Uma das atitudes mais importantes, porém, se refere ao convívio em família e com os amigos. De nada adianta fugir e se isolar. Mesmo porque a psoríase não é contagiosa e adotar atitudes de isolamento piora o estado psicológico e emocional. Visitar regularmente o dermatologista e seguir rigorosamente as orientações ajudam a controlar a doença, permitindo viver com mais qualidade.


Por: AgComunicado