Protetor solar é essencial para evitar o câncer de pele


Quanto maior o fator de proteção, mais protegida fica a sua pele

Não são apenas as centenas de quilômetros de praia que tornam a população brasileira forte candidata a desenvolver o câncer de pele. Grande parte de sua superfície demográfica está entre o Trópico de Capricórnio e a linha do Equador, região que recebe os raios do sol com maior intensidade. Por isso o uso de protetor solar é primordial para viver com saúde.
     
Os dermatologistas explicam que os raios ultravioleta causam danos cumulativos: quanto maior a frequência e a exposição ao sol, maior a possibilidade de surgirem manchas, irritações e ressecamento da pele, além de tumores malignos.

Os raios solares são compostos por vários tipos de radiações: raios infravermelhos, que produzem a sensação de calor e levam à desidratação da pele; UV-A, que bronzeiam e contribuem para o envelhecimento precoce da pele; UV-B, que podem causar queimaduras, envelhecimento precoce e câncer de pele; e  UV-C  que, raramente, atinge a superfície da terra, mas não estimula o bronzeamento e causa queimaduras e câncer.

O bronzeamento nada mais é que uma defesa da pele contra a radiação do sol, que estimula o organismo a produzir a melanina (pigmento natural da pele), que por sua vez diminui a penetração das radiações UV-A e UV-B. Como nos primeiros dias de exposição ao sol o mecanismo de produção de melanina começa a ser ativado, é preciso usar protetor solar com fator de proteção elevado. O protetor age de forma similar à melanina, filtrando os raios UV-A e UV-B.

Por isso, é importante escolher o protetor solar adequado para o seu tipo de pele. Como consequência da falta de proteção estão as queimaduras, sensações de ardor, alergias, insolação e inchaços. Quanto maior a sensibilidade da pele, maior deve ser o fator de proteção.

E como o verão está quase começando, vamos lembrar alguns cuidados que devemos adotar em relação ao sol:

• Tome sol de preferência os horários em que é menor a incidência dos raios solares: antes das 10h ou depois das 16h.
• Nunca permaneça na mesma posição ao tomar sol. Mude de posição com frequência.
• Se ficou durante um longo período distante do sol, comece a exposição aos poucos. Não fique o dia todo na praia ou na piscina logo no primeiro dia.
• Cuidados especiais merecem rosto, lábios e cabeça.
• Não use perfumes, desodorantes ou produtos para descolorir pelos.
• Alguns medicamentos, como o ácido acetilsalicílico (aspirina), não devem ser combinados com o protetor solar, pois podem provocar reações alérgicas.
• Produtos importados devem trazer na embalagem informações claras em português sobre o nível de proteção e de pele indicado, modo de uso e frequência da aplicação.
• Guarda-sol de cor escura absorve mais calor e radiação. Escolha os de tecido de algodão e de cor clara.
• Fique atento(a) ao fator de proteção mais adequado para o seu tipo de pele. Se tiver dúvida, opte por aquele com FPS mais elevado.
• Aplique o protetor solar mesmo em dias de mormaço. Quase 80% dos raios UV atravessam as nuvens.
• Siga corretamente o modo de usar contido na embalagem.
• Mesmo com protetor, use chapéu ou boné, óculos escuros e guarda-sol.
• Use óculos de sol com lentes que protejam contra os raios ultravioleta.
• Mantenha-se sempre muito bem hidratado.
• Sol em excesso faz mal. Use o bom senso e a moderação.

Por: AgComunicado