Proibido uso do jaleco fora do local de trabalho


A lei já está vigorando no Estado de São Paulo


A lei que veta o uso de avental ou jaleco fora do local de trabalho, sancionada pelo governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin (médico e pós-graduado em anestesiologia), foi publicada na última quinta-feira no Diário Oficia. O decreto prevê validade imediata. O objetivo é impedir que a vestuário médico se torne fonte de transmissão de microorganismos dentro e fora do ambiente hospitalar. As formas de fiscalização e de aplicação da lei, no entanto, ainda não foram definidas. Ao mesmo tempo, está sendo lançada uma campanha de conscientização e de adesão à lei.

Uma pesquisa realizada recentemente detectou a presença de bactérias em aproximadamente 95% dos jalecos médicos que foram submetidos à análise. Entre elas, foi detectada a Staphilococcus aureus, conhecida como uma das principais responsáveis por infecções hospitalares.

As principais áreas contaminadas nos jalecos examinados foram as mangas e bolsos. O estudo ainda considerou diferenças entre os dias da semana, detectando maior presença de microorganismos nos jalecos examinados às quintas-feiras em comparação aos jalecos examinados às segundas-feiras, possivelmente indicando que os médicos utilizam os jalecos e aventais mais do que uma vez sem lavar, aumentando a probabilidade de acúmulo de bactérias.

Algumas autoridades da classe médica divergem quanto à importância da lei, afirmando que não há nenhuma fundamentação científica que justifique seu emprego. Infectologistas argumentam que uma campanha de conscientização sobre a importância da lavagem das mãos seria mais importante, já que este é o principal meio de contágio.

Mesmo após a lei ter sido sancionada, não é difícil flagrar médicos e estudantes de medicina usando os jalecos nas ruas da cidade de São Paulo. O tempo dirá se os profissionais da saúde de fato irão aderir à lei e se o governo dispõe de métodos eficientes de fiscalização.

Por: AgComunicado