Problema de disfunção erétil pode ser tratado em quase 100% dos casos


Medicamentos e psicoterapia são alternativas de tratamento.

Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), cerca de 25 milhões de brasileiros com mais de 18 anos sofrem de algum tipo de problema de ereção e cerca de 11 milhões possuem disfunções de grau moderado ou grave que afetam a qualidade do desempenho sexual. Apesar dos números mostrarem que esse é um problema mais comum do que se imagina, a maioria dos homens demoram para procurar um médico – ou às vezes nem procuram porque acham que será constrangedor. Porém os especialistas dizem que quase 100% dos casos podem ser tratados.
 
A disfunção erétil, também conhecida como impotência sexual, atinge em sua maioria homens acima dos 40 anos, e deve ser abordada de maneira multidisciplinar. Isto é, médicos de diferentes especialidades se unem para diagnosticar a origem e indicar o tratamento mais adequado ao paciente. O problema de ereção pode apontar doenças cardiovasculares, diabetes e pressão alta e pode estar associada ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas, ao tabagismo e a uma alimentação inadequada – com muito sal e gordura.
 
Hipertensão arterial e aterosclerose  geram o entupimento de artérias e veias e prejudicam assim  a circulação sanguínea. Distúrbios psicológicos também são fatores que ocasionam a disfunção erétil. Ansiedade, problemas no trabalho e cobranças da parceira quanto ao desempenho sexual diminuem a libido e a qualidade da ereção. 
 
Ao procurar ajuda médica, o homem inicia o tratamento que pode variar: desde psicoterapia até medicamentos que aumentam o fluxo sanguíneo, como viagra e cialis. Devem ser sempre prescritos pelo médico. 
 
A automedicação é um risco à saúde. Procurar ajuda médica ao se perceber que de fato existe um problema constante no desempenho sexual é a melhor maneira de conseguir bons resultados nos tratamentos. Quanto a comprar remédios online, também só com prescrição médica.
 
Por: AgComunicado