Prematuros podem ter maior risco de doença cardíaca!


Os bebês que nascem prematuramente experimentam diferenças na forma como seus corações funcionam quando adultos, em comparação com os bebês que nascem no tempo certo.

 
 
Os bebês que nascem prematuramente experimentam diferenças na forma como seus corações funcionam quando adultos, em comparação com os bebês que nascem no tempo certo. De acordo com um estudo publicado na revista Circulation, isso leva a um maior risco de doença cardiovascular na vida adulta.
 
 
Pesquisadores da Universidade de Oxford, na Inglaterra, estudaram 102 crianças prematuras, desde o nascimento, em comparação com 132 crianças nascidas sem complicações. Dos recém-nascidos prematuros, 14% nasceram com menos de 28 semanas, 58% nasceram entre 28 e 31 semanas, e 31% nasceram entre 32 e 36 semanas.
 
 
Todos os bebês nasceram na década de 1980 e foram acompanhados até que eles tivessem entre 23 e 28 anos de idade. Além de avaliação da saúde do coração, que incluiu medidas de pressão arterial e colesterol, os pesquisadores usaram técnicas de imagem de ressonância magnética (MRI) para medir os corações dos participantes e os vasos sanguíneos.
 
 
Eles usaram programas de computador para criar modelos dos corações, o que lhes permitiu investigar a estrutura e ver o quanto de sangue foi bombeado em torno do corpo. Os resultados da análise revelaram que o ventrículo direito - a parte do coração que recebe o sangue oxigenado do átrio e bombeia para os pulmões direito - foi significativamente diferente nos adultos que nasceram prematuramente, em comparação com os corações de adultos que nasceram no tempo certo.
 
 
Os bebês prematuros tinham corações que eram menores, mais pesados e tinham paredes mais espessas, com redução da atividade de bombeamento. Além disso, os cientistas descobriram que quanto mais cedo os bebês anteriores nasceram prematuros,  maior foi o impacto no tamanho e na função do ventrículo direito.
 
 
O Professor Paul Leeson, um cardiologista no Centro de Pesquisa Clínica Cardiovascular da Universidade de Oxford, diz que cerca de 10% dos adultos de hoje nascem prematuramente e parecem estar em maior risco de problemas cardiovasculares na idade adulta.
 
 
Ele diz: "Queremos entender por que isso ocorre para que possamos identificar o pequeno grupo de pacientes nascidos prematuros, que podem precisar de aconselhamento do seu médico sobre o risco cardiovascular. As mudanças que os pesquisadores têm encontrado no ventrículo direito são bastante distintas e intrigantes".
 
 
Os autores do estudo concluíram que uma análise mais aprofundada é necessária para melhorar a compreensão da estrutura dos corações em bebês prematuros, e como o seu risco de doença cardiovascular podem aumentar na idade adulta.
 
 
"Nós estamos tentando aprofundar o que é diferente sobre os corações daqueles nascidos prematuros", diz Adam Lewandowski, primeiro autor do estudo. "As potenciais explicações científicas do por que seus corações são diferentes são fascinantes e nosso estudo contribui para a crescente compreensão de como as formas de nascimento prematuro afetam a saúde futura do coração".
Henrique Torres