Pessoas são presas e farmácias interditadas no Pernambuco


Milhares de caixas de medicamentos são apreendidas

Uma operação da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa), nas cidades de Ipojuca e Carpina, que se localizam no estado do Pernambuco, levou à prisão de três pessoas e à notificação de 25 farmácias. Como resultado da operação, aproximadamente 5 mil caixas de medicamentos foram apreendidas. Estabelecimentos foram interditados e outros sofreram apreensões de medicamentos controlados, que eram comercializados de forma inadequada. A polícia ainda investiga uma possível conexão com uma médica nessa ação, Houve o uso de receituários irregulares, armazenados incorretamente, com prazo de validade vencido e até mesmo contrabandeados.

As autuações aconteceram no âmbito criminal e também no administrativo. Como os medicamentos controlados são considerados drogas, os responsáveis responderão por tráfico de drogas.

Caso sejam condenados, os proprietários das farmácias onde ocorreram os poderão cumprir penas de até 15 anos de reclusão. Na cidade de Ipojuca, uma pessoa foi flagrada comercializando medicamento falsificado para disfunção erétil e deverá ter sua pena agravada.

Na cidade de Carpina, um proprietário de estabelecimento deverá responder por crime contra a saúde e a economia pública. Já uma proprietária de duas farmácias na mesma cidade responderá por contrabando. Ela vendia o ‘Pramil’, remédio de disfunção erétil que teve a venda proibida no Brasil e que é fabricado ilegalmente no Paraguai.

Em uma farmácia de Carpina, 500 caixas de um medicamento para mal de Parkinson usualmente utilizado para aumentar o efeito de drogas foram vendidos sem registro em apenas dois meses. A quantidade auferida está 50 vezes acima da média nacional de venda desse medicamento.

As investigações se iniciaram há cerca de dois meses. As sérias irregularidades foram identificadas na logística de produtos de seis estabelecimentos das duas cidades. No total, foram apreendidas pela polícia e pela Vigilância Sanitária quase 5 mil caixas de medicamentos, com cerca de 20 comprimidos cada. Entre os principais produtos apreendidos constavam o Rivotril, Lexotan,  Diazepan, anorexígenos e anticonvulsivantes.

Por: AgComunicado