Pesquisadores Relacionam Doença Global e Hábitos Alimentares


Veja como o habito alimentar pode prejudicar a saúde

Pesquisadores Relacionam Doença Global e Hábitos Alimentares
 
 
No estudo as crianças que no início da adolescência comeram três ou mais porções semanais de fast foods tinham um risco aumentado para trinta e nove por cento de chances de desenvolver asma grave. As crianças de seis e sete anos tiveram um risco aumentado de vinte e sete por cento. Comer três ou mais porções de frutas por semana corta o risco de contrair a asma grave, a eczema e a rinoconjuntivite por entre onze e quatorze por cento. O medicamento Symbicort é um dos remédios atualmente mais receitados no Brasil para tratar a asma.
 
 
Os autores do estudo, o Prof Innes Asher, da Universidade de Auckland, na Nova Zelândia e o Prof Hywel Williams, da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, disseram: "Se as associações entre consumos de fast foods e a prevalência dos sintomas da asma, da rinoconjuntivite e do eczema é causal, em seguida, as conclusões têm um grande significado em relação à saúde pública devido ao crescente consumo de fast foods globalmente."
 
 
Geralmente pessoas com asma não devem seguir uma dieta especial. Mas em alguns casos certos alimentos, como leite de vaca, ovos, peixe, mariscos, produtos de levedura, nozes e alguns corantes de alimentos e conservantes, podem piorar os sintomas. A Dra. Malayka Rahman, médica especialista em asma, disse que a pesquisa sugere que a dieta de uma pessoa pode contribuir para o risco de desenvolver asma e que comer de forma saudável pode ter um efeito benéfico. "A evidência sugere que as vitaminas e os antioxidantes encontrados em frutas e vegetais têm um efeito benéfico sobre a asma, portanto, eu aconselho as pessoas com asma a comer de forma saudável e a ter uma dieta equilibrada, incluindo cinco porções de frutas ou legumes todos os dias, mais de duas vezes por semana, e peixes mais de uma vez por semana", disse ela.
 
Henrique Torres