Pesquisadores desenvolvem vacina contra diabetes do tipo 1


Os estudos apresentaram resultados positivos e mais testes ainda serão realizados para comprovar a eficácia no tratamento de diabéticos do tipo 1.

Um grupo de estudiosos encontraram uma forma de auxiliar os pacientes que possuem diabetes do tipo 1, com uma vacina que promete conter o sistema imunológico do paciente, a não atacar e destruir as células responsáveis pela produção de insulina. Caso a vacina prove ser eficaz em mais estudos e testes, a descoberta poderá retardar a doença ou até mesmo evitar o seu desenvolvimento. 
 
Pacientes com diabetes tipo 1, precisam manter o controle regular dos níveis de glicose no sangue e repor a insulina no organismo diariamente, pois o organismo passa a reconhecer como inimigo as células que produzem insulina. E essa reposição de insulina é fundamental para controlar as taxas de açúcar no sangue. 
 
Pesquisadores estão em busca de uma vacina que controle o sistema imunológico há muito tempo, tanto que muitas universidades estão envolvidas no desenvolvimento eficaz desta vacina, que possui ação específica, para conter a resposta imunológica à insulina. Esta vacina foi desenvolvida a partir de um fragmento de DNA geneticamente modificado, para agir, destruindo apenas as células prejudicais e preservando o sistema de defesa intacto.
 
O teste que apresentou resultados positivos, envolveu 80 pessoas que apresentavam casos de diabetes do tipo 1 e que já realizavam tratamento com insulina. Essas 80 pessoas foram divididas em duas partes, uma parte recebeu doses de placebo (medicamento usado por médicos e pesquisadores em testes) e a outra parte, recebeu doses da vacina. Passadas 12 semanas, o grupo de pacientes que receberam as doses da vacina, apresentaram bons resultados, quanto à preservação de células produtoras de insulina e uma significativa diminuição das células responsáveis por matar as produtoras de insulina.
 
Os autores do estudo acreditam que esses resultados foram suficientes para que, mais testes e pesquisas se realizem em torno da eficácia desta vacina. A vacina ainda está longe de ser comercializada, no entanto, vale considerar os bons resultados deste estudo para que futuramente seja desenvolvido um tratamento eficaz.