Pesquisadores desenvolvem ferramenta, capaz de decifrar o choro dos bebês


Com a colaboração de especialistas, os estudiosos criaram um programa de computador que avalia as frequências e o volume do choro.

Para os pais, chorar é o único jeito que o bebê tem de comunicar suas necessidades, como fome, calor ou desconforto. Sem contar, que bebês completamente saudáveis, também são capazes de chorar três horas por dia, sem que haja nenhum problema. Os cientistas, no entanto, acreditam que as variações acústicas no choro, podem carregar importantes informações sobre o desenvolvimento do bebê ou possíveis problemas de saúde. 
 
Uma equipe de pesquisadores, da Universidade Brown, nos Estados Unidos, desenvolveu um equipamento que pode analisar o choro das crianças. Com a colaboração de especialistas da Faculdade de Engenharia e Hospital Infantil da Mulher, os estudiosos desenvolveram um programa de computador que analisa as características do choro.
 
No primeiro momento, é realizada uma gravação do choro do bebê, dividindo o áudio e analisando cada milissegundo individualmente, sobre vários aspectos, como frequência e volume e no segundo momento, uma análise ampla que diferencia os sons, capaz de analisar os gritos com momentos de silêncio, contendo 80 classificações que indicam os possíveis problemas da criança. 
 
 “Há muitas condições que podem se manifestar, nos diferentes sons do choro. Por exemplo: traumas de nascimento, lesão cerebral decorrente de problema na gravidez ou parto e problemas médicos em bebês prematuros. A análise do choro pode ser um meio não invasivo de medir esses problemas em bebês muito pequenos”, segundo o professor de psiquiatria da Universidade Brown, Stephen Sheinkopf, um dos coordenadores do estudo, em comunicado divulgado recentemente.
 
De acordo com um dos colaboradores do estudo, Barry Lester, os problemas neurológicos do bebê podem controlar as cordas vocais e, nessas alterações de som e frequência de choro, que é possível diagnosticar as doenças, para preveni-las e retardar os seus efeitos.  
 
Essa ferramenta será disponibilizada ao sistema de pesquisadores de todo mundo e a equipe de estudiosos, continuarão a realizar estudos, na Universidade de Brown, para descobrir se esse equipamento, também pode indicar alguma relação entre o choro e o autismo.