Pesquisa mostra que dormir muito ou pouco, pode aumentar os riscos de doenças cardíacas


Pessoas que dormem mais de dez horas ou menos de seis horas, podem correr riscos de doenças graves.

Um estudo ministrado por pesquisadores americanos mostrou que pessoas que dormem menos que seis horas ou mais que dez horas, tem maiores riscos de desenvolver diabetes, acidente vascular cerebral (AVC), infartos, doenças coronárias (que pode ser tratada com o medicamento Sinvastatina) e obesidade.  
 
De acordo com a equipe de pesquisadores, diversos estudos já foram realizados, para estabelecer a relação de problemas do sono com o desenvolvimento de doenças, como AVC e diabetes. Contudo, nesta pesquisa os estudiosos tentaram analisar o principal fator de risco, dos problemas causados pela falta de sono, que no caso é a ansiedade e obesidade. 
 
"Algumas das relações que existem entre o sono não saudável e as doenças crônicas podem ser parcialmente explicadas pelo sofrimento mental frequente causado por esse problema, além do ganho de peso que costuma acontecer entre esses pacientes", afirmou Janet Croft, uma das responsáveis pelo estudo. 
 
A análise foi feita com 54.000 americanos com idades entre 45 e 50 anos. De acordo com o levantamento realizado, um terço dos participantes, afirmaram que dormiam poucas horas, isto é, não mais que seis horas. A outra metade dos participantes, afirmou que tinha o sono ideal e cerca de 4%, disse dormir mais. 
 
No levantamento final, os pesquisadores descobriram que a porcentagem de voluntários que dormiam poucas horas, foi a que apresentou maiores índices de obesidade, ansiedade, depressão e stress. Sem contar que este grupo também apresentou altos índices de doenças coronárias (que pode ser tratada com o medicamento Sinvastatina), AVC e diabetes. 
 
O grupo de participantes que relatou dormir mais, também teve índices semelhantes no levantamento final. No entanto, apresentaram quantidades ainda maiores de doenças coronárias, AVC e diabetes.
 
Esta pesquisa reforçou ainda mais a ideia de que não basta apenas adotar hábitos alimentares saudáveis e seguir uma rotina de exercícios físicos regular. Dormir bem é tão fundamental quanto comer e se exercitar. É necessário que exista um equilíbrio no estilo de vida.