Pacientes com transtorno bipolar precisam buscar tratamento


Sintomas podem ser revertidos

De acordo com uma pesquisa que avaliou mais de 60 mil pessoas em 11 países, inclusive no Brasil, das quais 2.4% apresentavam o transtorno bipolar, menos da metade dos doentes recebe tratamento.  Os pesquisadores fizeram entrevistas utilizando critérios da Organização Mundial da Saúde para o diagnóstico e o resultado foi publicado no Archives of General Psychiatry.  

A doença é uma forma de transtorno de humor caracterizado pela variação entre uma fase maníaca, de hiperatividade, e uma fase depressiva, com dificuldade para conceber ideias e ansiedade. Apesar dos sintomas, apenas 42,7% das pessoas diagnosticadas na pesquisa estavam recebendo tratamento especializado. No Brasil, o índice era de apenas 33,9%. Muitas pessoas não têm acesso ao sistema de saúde ou acham que os sintomas são resultado do uso de drogas.

Segundo especialistas, é comum um paciente bipolar receber diagnóstico de depressão, porque a manifestação de euforia pode ser mais leve, e a pessoa ir buscar tratar a depressão, porque ela incomoda mais. Se o médico ministrar antidepressivos, pode haver episódios de mania e aumento da irritabilidade.

O estudo indica que o transtorno bipolar é bastante incapacitante e que os pacientes sofrem mais anos com os prejuízos do transtorno em comparação aos pacientes de outras enfermidades. O dado foi extraído de um relatório da OMS segundo o qual a bipolaridade representa 0,9% das doenças incapacitantes, logo à frente do Alzheimer, com 0,8%.

O transtorno bipolar muitas vezes começa na adolescência ou no começo da vida adulta e, com o tempo,  paciente vai perdendo habilidades como capacidade de raciocínio, memória e concentração. Com o tratamento, porém, os sintomas se revertem. Por ser uma doença crônica, leva meses para que o paciente se restabelecer. O não tratamento piora os sintomas. 

Autor:  Agência Comunicado

Fonte:  Folha de S. Paulo