Osteoporose: nunca é tarde demais para prevenir


Confira os fatores que podem levar ao surgimento da doença

Mulheres na menopausa estão entre as principais vitimas da osteoporose. Segundo a Associação Nacional contra a Osteoporose, uma em cada três mulheres e um em cada oito homens acima de 50 anos desenvolvem a doença.  

A osteoporose se caracteriza pela diminuição da massa óssea que leva a alterações na
s microestrutura óssea, reduzindo assim a sua resistência e aumentando o risco de fraturas e a ocorrência de traumatismos.

Não se trata de uma doença fruto apenas do envelhecimento, como muitos acreditam. São diversos os fatores de risco, que vão desde a hereditariedade, pertencer à raça branca ou amarela,  baixo índice de massa corporal, até o uso de determinados medicamentos e a presença de doenças como as endocrinopatias, reumáticas crônicas, insuficiência renal ou anorexia nervosa.

Entre os principais sintomas da osteoporose estão as fraturas como resultados de pequenos traumatismos, atingindo principalmente as vértebras, ancas e punhos; redução na altura em alguns centímetros, desenvolvimento de uma corcunda, ombros projetados para a frente e intensas dores nas costas.

A osteodensitometria, exame de sangue e radiograma da coluna dorsal e lombar de perfil permitem diagnosticar a osteoporose, o seu estágio atual e avaliar o risco de fraturas.

O tratamento inclui o uso de medicamentos para aumentar a massa óssea, suplementos de cálcio e vitamina D e a mudança de hábitos. Será preciso também adotar medidas de segurança para prevenir quedas, seja no ambiente de trabalho ou em casa.
 
Nunca é tarde demais para tornar os ossos mais saudáveis. Uma alimentação equilibrada que privilegia produtos que são fontes de cálcio e vitamina D -  como peixes e moluscos, leite e derivados, frutas secas e vegetais de cor verde escura – é fundamental para manter os ossos saudáveis, além da prática de uma atividade física.

Por: AgComunicado