Os suplementos de ervas muitas vezes não são o que parecem!


Muitos destes suplementos não são comprovados cientificamente!

 
 
Os americanos gastam cerca de US $ 5 bilhões por ano em suplementos de ervas que prometem tudo, desde a luta contra resfriados até reduzir as ondas de calor e aumentar a memória. Porém, muitos destes suplementos não são comprovados cientificamente.
 
 
Mas agora há um novo motivo para os compradores de suplementos terem cuidado: os testes de DNA mostram que muitas pílulas rotuladas como ervas curativas são pouco mais do que arroz em pó e ervas daninhas.
 
 
Usando um teste de DNA chamado “barcoding”, uma espécie de impressão digital genética que também tem sido usado para ajudar a descobrir fraude de rotulagem na indústria pesqueira comercial, os pesquisadores canadenses testaram 44 frascos de suplementos populares vendidos por 12 empresas. 
 
 
Eles descobriram que muitos não eram o que diziam ser, e que os comprimidos rotulados como ervas populares eram muitas vezes diluídos - ou inteiramente substituídos - por substâncias baratas, como soja, trigo e arroz.
 
 
Os defensores dos consumidores e os cientistas dizem que a pesquisa fornece mais provas de que a indústria de suplementos à base de plantas é cheia de práticas questionáveis. Representantes da indústria afirmam que os problemas não são generalizados.
 
 
Para o estudo, os pesquisadores selecionaram ervas medicinais populares e, em seguida, compraram aleatoriamente diferentes marcas desses produtos em lojas e outlets no Canadá e nos Estados Unidos. Para evitar destacar qualquer empresa eles não divulgaram os nomes de produtos.
 
 
Entre suas descobertas eles encontraram garrafas de suplementos de equinácea, usados por milhões de norte-americanos para prevenir e tratar resfriados, que continham erva amarga, Parthenium hysterophorus, uma planta invasora encontrada na Índia e na Austrália, que tem sido associada a erupções cutâneas, náuseas e flatulência.
 
 
Duas garrafas rotuladas como erva de São João, que estudos têm mostrado pode tratar a depressão ligeira, continham nada da erva medicinal. Em vez disso, as pílulas em uma garrafa foram feitas de arroz, e outra garrafa continha apenas alexandrino senna, um arbusto amarelo egípcio que é um laxante poderoso. 
 
 
Gingko biloba, suplementos promovidos para melhorar a memória, eram misturados com enchimentos e nogueira preta, um componente perigo e potencialmente mortal para as pessoas com alergias.
 
Henrique Torres