Os Problemas que o Uso de Maconha Pode Causar


O uso da maconha, apesar de não ser tão viciante quanto outras drogas legais, pode levar a problemas de saúde igualmente prejudiciais.

Enquanto a maconha pode viciar, os cientistas geralmente concordam que menos de 10 por cento dos fumantes de maconha se tornam dependentes da droga, em comparação com 15% de usuários do álcool, 23% dos usuários de heroína e 32% dos usuários do tabaco. A maconha contém substâncias cancerígenas, como alcatrão e outras toxinas semelhantes aos encontrados no tabaco, mas as pessoas geralmente não fumam maconha na mesma quantidade que os cigarros.
 

Ainda assim, a legalização leva os consumidores para um território tenebroso em relação à saúde. Mesmo que a maconha seja a droga ilegal mais usada nos Estados Unidos, permanecem dúvidas sobre seus efeitos na saúde. A maconha de hoje é muito mais potente que a de décadas passadas: a concentração média de THC, o ingrediente psicoativo, mais do que dobrou entre os anos de 1993 e 2008. O aumento da potência pode ter consequências imprevisíveis na saúde. Receptores do THC do cérebro humano são normalmente ativados por produtos naturais e produtos químicos do corpo chamados endocanabinoides, que são semelhantes ao THC. Há uma alta densidade de receptores de canabinóides em partes do cérebro que afetam o prazer, a memória e a concentração. Algumas pesquisas sugerem que essas áreas continuam a ser afetadas pelo uso da maconha, mesmo após o efeito do consumo se dissipar.
 

"A maconha é agora muito mais potente, o que pode explicar por que nós temos visto um aumento muito acentuado na admissão de salas de emergência e programas de tratamento para maconha" disse a Dra. Nora D. Volkow, diretora do Instituto Nacional sobre abuso de drogas. "Quando ouvimos: ‘Bem, eu fumava e nada me acontecia’, temos de refletir sobre o contexto de quando essas pessoas começaram a fumar maconha, a frequência do uso e como o uso da maconha foi realizado".
 
Henrique Torres