Os Modificadores de Risco da Doença Celíaca


Saiba quais são os fatores que contribuem para o aumento do risco de surgimento da doença celíaca.

Modificadores de risco para a doença celíaca


Existem várias teorias sobre o que determina se um indivíduo geneticamente suscetível vai continuar a desenvolver a doença celíaca. Principais teorias incluem a infecção por rotavírus, ou adenovírus intestinal humano. Algumas pesquisas sugerem que o tabagismo é um fator protetor contra o inicio adulto da doença celíaca. A doença celíaca é uma doença que está associada com várias outras doenças autoimunes, como a Diabetes, que pode ser controlada com medicamentos como o Victoza.


Um estudo de 2005, prospectivo e observacional, descobriu que o tempo de exposição ao glúten na infância foi um modificador de risco importante. Pessoas expostas a trigo, cevada ou centeio antes de desenvolver totalmente a barreira intestinal (dentro dos primeiros três meses após o nascimento) tinham cinco vezes o risco de desenvolver a doença celíaca em relação aos expostos em quatro a seis meses após o nascimento. Aqueles expostos até mais tarde do que seis meses após o nascimento foram encontrados para ter apenas um risco ligeiramente maior em relação aos expostos em quatro a seis meses após o nascimento.
 

Um estudo realizado em 2006 mostrou que a introdução precoce de grãos as crianças foi de proteção contra alergias de grãos, no entanto, este estudo explicitamente excluiu quaisquer participantes encontrados para ter a doença celíaca e, portanto, não oferece nenhuma ajuda neste sentido. A amamentação pode também reduzir o risco. Uma meta análise indica que a amamentação prolongada até a introdução de glúten contendo grãos na dieta das crianças foi associada com um risco 52 por cento menor de se desenvolver a doença celíaca na infância, se isso persiste na idade adulta não é claro.
 
Henrique Torres