Os Mecanismos Internos do Corpo e a Obesidade


Veja quais são as interferencias dos mecanismos internos do corpo humano na obesidade.

Mecanismos Internos do Corpo e sua Ação na Obesidade
 
Flier resume os muitos possíveis mecanismos fisiopatológicos envolvidos no desenvolvimento e manutenção da obesidade. Esse campo de pesquisa havia sido quase inaprovaitado até que a leptina foi descoberta em 1994. Uma vez que esta descoberta tenha sido realizada, muitos outros mecanismos hormonais foram elucidados, mecanismos estes que participam na regulação do apetite e na ingestão de alimentos, padrões de armazenamento de tecido adiposo, e desenvolvimento de resistência à insulina. Desde a descoberta da leptina, grelina, insulina, orexina, PYY 3-36, a colecistocinina, adiponectina, bem como muitos outros mediadores têm sido estudados. As adipocinas são mediadores produzidos pelo tecido adiposo, e sua ação é pensada para modificar muitas doenças relacionadas à obesidade.
 

A leptina e grelina são considerados por serem complementares na sua influência sobre o apetite, com a grelina produzida pelo estômago controlando em curto prazo a modulação apetitiva (isto é, para comer quando o estômago está vazio e para parar quando o estômago é esticado). A leptina é produzida por tecidos adiposos para sinalizar reservas de armazenamento de gordura no corpo, e media em longo prazo os controles apetitivos (isto é, a comer mais quando armazenamentos de gordura são baixos e menos quando estoques de gordura são elevados). Embora a administração de leptina possa ser eficaz em um pequeno subgrupo de indivíduos obesos que estão com deficiência de leptina, a maioria dos indivíduos obesos são considerados ​​para ser resistente à leptina e foram encontrados para ter níveis elevados de leptina. Esta resistência é pensada para explicar, em parte por isso que a administração de leptina não foi demonstrada ser eficaz na supressão do apetite, na maioria dos indivíduos obesos.

Henrique Torres