Os Fatores Sociais da Bulimia


Entenda como os mecanismos sociais estão envolvidos nos casos de bulimia.

Fatores Sociais da Bulimia Nervosa


Os pesquisadores argumentam que a extrema preocupação com o peso e a forma juntamente com a autoestima baixa resultará em rigorosas, rígidas e inflexíveis regras alimentares. Que levarão à autopurgação como forma de emagrecer. Assim, o que levaria a uma alimentação restrita irrealista, e que pode, consequentemente, induzir a um "deslize" eventual onde o indivíduo comete uma infração menor das regras rígidas e inflexíveis alimentares. Além disso, a distorção cognitiva devido ao pensamento dicotômico leva o indivíduo a excessos. A compulsão posteriormente deverá desencadear uma falta de controle, promovendo que o indivíduo realize a purgação na esperança de contrariar os excessos. No entanto, pesquisadores afirmam que o ciclo se repete, e, portanto, deve-se considerar o ciclo de compulsão como se perpetuando.


Em contraste, os resultados dos pesquisadores Byrne e Mclean diferiam ligeiramente deste primeiro, em que a unidade de magreza era a principal causa de purgação, como um meio de controlar o peso. O modelo cognitivo-comportamental da bulimia nervosa não é necessariamente aplicável a cada indivíduo e é certamente reducionista. Todo mundo é diferente, e tendo tal comportamento complexo em vista com a bulimia e aplicar a mesma teoria para todos certamente seria inválido. Além disso, o modelo comportamental cognitivo da bulimia nervosa é muito culturalmente ligado à um grupo específico de pessoas e que pode não ser, necessariamente, aplicável a culturas fora da sociedade ocidental. Para avaliar isso, os pesquisadores geralmente recorrem a uma explicação cognitiva da bulimia nervosa que é mais descritiva do que explicativa, uma vez que não necessariamente explica como surge a bulimia. Além disso, é difícil determinar a causa e o efeito da bulimia.
 
Henrique Torres