Os Benefícios do Exercício Físico para a Saúde Mental


Sabe-se do bem que os exercícios físicos fazem para o corpo, mas conhece-se muito pouco sobre os benefícios para a mente.

 
O exercício físico é um ponto fundamental de nossas atividades pois é capaz de evitar uma quantidade enorme de doenças, como a diabetes, doença que não pode ser curada, mas apenas controlada por meio de medicamentos como o Victoza.
 
 
Pesquisadores analisaram as experiências recentes em que camundongos e ratos foram sistematicamente criados para serem corredores de maratona. Animais de laboratório que voluntariamente colocam a maioria das suas milhas sobre rodas em execução foram cruzados resultando na criação de uma linha de animais de laboratório que se destacaram na execução dos exercicíos e das corridas em rodas.


Curiosamente, após várias gerações, estes animais começaram a desenvolver níveis naturalmente altos de substâncias que promovem o crescimento de tecido e de saúde, incluindo uma proteína chamada “cérebro fator neurotrófico derivado”, ou BDNF. Estas substâncias são importantes para o desempenho de resistência. Elas também são conhecidas para impulsionar o crescimento do cérebro.


O que tudo isso significa, diz David A. Raichlen, antropólogo da Universidade do Arizona e um dos autores de um novo artigo sobre a evolução de cérebros humanos que aparecem na edição de janeiro da Proceedings of the Royal Society B, é que a atividade física pode e têm ajudado a fazer os primeiros seres humanos mais inteligentes.


Nós achamos que o que aconteceu em nossos primeiros ancestrais caçadores-coletores, diz ele, é que o mais atlético e ativo sobreviveu e, como acontece com os ratos de laboratório, passou ao longo de suas gerações características fisiológicas que melhoraram sua resistência, incluindo níveis elevados de BDNF (cérebro fator neurotrófico derivado). Eventualmente, esses atletas de início tinham o suficiente de BDNF (cérebro fator neurotrófico derivado) correndo através de seus corpos e alguns poderiam migrar dos músculos para o cérebro, onde ele cutucou o crescimento do tecido cerebral.

 
Henrique Torres