O Vírus e a Diabetes Tipo 1


Entenda quais as origens e como funciona a Diabetes, uma verdadeira epidemia.

Vírus

Uma teoria, discutida por DeLisa Fairweather e R. Noel Rose, entre outros, propõe que a diabetes de tipo 1 é um vírus que desencadeia  uma resposta auto-imune na qual o sistema imunológico ataca células infectadas com vírus, juntamente com as células beta do pâncreas. A família de vírus Coxsackie ou rubéola é implicada, embora a evidência seja inconclusiva. No tipo 1, as células pancreáticas beta das ilhotas de Langerhans são destruídas, diminuindo a produção endógena de insulina.

 

Dieta

Alguns pesquisadores acreditam que a resposta auto-imune é influenciada por anticorpos contra as proteínas do leite de vaca.  Nenhuma conexão foi estabelecida entre auto-anticorpos, anticorpos para proteínas do leite de vaca e diabetes tipo 1. Um subtipo de tipo 1 (identificável pela presença de anticorpos contra as células beta) desenvolve-se lentamente, por isso é muitas vezes confundido com o tipo 2.  

 

A vitamina D em doses de 2000 UI por dia, administrada durante o primeiro ano de vida de uma criança foi ligada em um estudo no norte da Finlândia com uma redução de 80% no risco de contrair diabetes de tipo 1 mais tarde na vida. A relação causal, se houver, é inconclusiva. Um curto período de amamentação tem sido associado com o risco de diabetes de tipo 1 em crianças.

 

Produtos químicos e drogas


Alguns produtos químicos e fármacêuticos destroem as células pancreáticas. Pyrinuron, um raticida introduzido nos Estados Unidos em 1976, destrói as células beta do pâncreas, resultando em diabetes do tipo 1 após a ingestão acidental ou deliberada. Pyrinuron foi retirado do mercado dos EUA em 1979, mas ainda é usado em alguns países. Zanosar é o nome comercial para este estreptozotocina, um agente antibiótico e antineoplásico utilizado na quimioterapia para o cancro pancreático, mas também mata as células beta, resultando em perda de produção de insulina. Outros problemas pancreáticos, incluindo pancreatite, trauma ou tumores (quer maligno ou benigno), também podem levar à perda de produção de insulina.

Henrique Torres