O Sol pode Prevenir a Artrite Reumatoide nas Mulheres


A rotina de exposição ao sol, especialmente aos raios ultravioletas de B (UVB), pode diminuir o risco de artrite reumatoide, segundo um novo estudo publicado nos anais das doenças reumáticas.

O Sol pode Prevenir a Artrite Reumatoide nas Mulheres
 
 
A rotina de exposição ao sol, especialmente aos raios ultravioletas de B (UVB), pode diminuir o risco de artrite reumatoide, segundo um novo estudo publicado nos anais das doenças reumáticas.
 
 
Os resultados positivos da exposição aos raios UVB foi demonstrado principalmente em mulheres idosas, possivelmente porque as mulheres mais jovens são educadas sobre os perigos da luz solar e a se protegerem com protetor solar, sugerem os autores.
 
 
Os autores tiraram suas conclusões a partir de duas fases de um estudo de saúde das enfermeiras dos EUA. A primeira fase seguiu a saúde de mais de 120.000 enfermeiras começando em 1976, quando eles estavam entre as idades de 30 e 55 anos, até 2008. A segunda fase do estudo foi feita seguindo a saúde de um 115.500 enfermeiras adicionais a partir de 1989, entre as idades de 25 e 42 anos, até o ano de 2009.
 
 
Dependendo da geografia para quantificar as taxas de probabilidade de exposição aos raios UVB, os investigadores optaram por usarem um exame mais cuidadoso, algo chamado de fluxo de UV-B - composto no cálculo da radiação UVB, consistindo da cobertura de nuvens, latitude e altitude. O fluxo de UV-B é medido em unidades de-R-B: uma contagem de 440 unidades de-R-B de mais de 30 minutos por dia, por exemplo, é o suficiente para causar uma queimadura de sol sutil na pele branca.
 
 
De acordo com o estado de residência nos EUA, a exposição foi estimada e variou de 93 em Oregon e no Alasca, a 196 no Arizona e no Havaí, em média. Exposições de UV ao nascimento e aos 15 anos de idade também foram estimadas e incluídas no estudo.
 
 
Durante toda a duração do estudo, 1314 mulheres desenvolveram artrite reumatoide. Entre os enfermeiros do grupo a maior exposição cumulativa a UVB foi vinculada com uma diminuição do risco de desenvolver a doença.
 
 
Os enfermeiros com as taxas mais elevadas de exposição foram 21 por cento menos inclinados a desenvolver artrite reumatoide do que aqueles com menos exposição.
 
 
Henrique Torres