O que é a Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP)?


Quadro deve ter acompanhamento do ginecologista para evitar complicações

Cabe aos ovários, pequeninos órgãos localizados um de cada lado do útero, a produção de hormônios sexuais femininos e o acolhimento dos óvulos que a mulher traz consigo desde o nascimento. No entanto, cerca de 20% das mulheres poderão desenvolver cistos ou microcistos nos ovários, em um quadro chamado SOP (síndrome dos ovários policísticos). O diagnóstico não se dá apenas pela presença dos cistos ovarianos, que em certos momentos do ciclo menstrual aparecem em exames de imagem de toda mulher, mas por conta de outros sintomas relacionados como irregularidade menstrual, excesso de pelos e pele actínica, entre outros.

Em geral, a SOP não acarreta maiores consequências, mas em torno de 10% dos casos podem se associar a alguns problemas na saúde da mulher, pois não tratada a síndrome traz consigo certa dificuldade em engravidar, uma vez que a irregularidade menstrual pode ter a ver com anovulação.

A síndrome dos ovários policísticos (SOP) representa, portanto, uma das desordens endócrinas reprodutivas mais comuns nas mulheres entre 30 e 40 anos. O diagnóstico é feito por uma avaliação clínica e exames de imagem, como o ultrassom endovaginal.

Ainda não se conhecem as causas da SOP, mas se sabe que 50% das mulheres com essa síndrome têm hiperinsulinismo, e o restante apresenta problemas no hipotálamo, na hipófise ou nas suprarrenais, produzindo maior quantidade de hormônios masculinos.

O tratamento deve ter como base o tratamento desses sinais, da infertilidade e prevenção das consequências a longo prazo. A mudança de hábitos, a inclusão dos exercícios físicos e uma dieta para perda de peso são também parte importante do tratamento. Entre os medicamentos utilizados estão certas pílulas anticoncepcionais que diminuem a produção de hormônios masculinos, regularizam a menstruação e diminuem a produção de sebo e o crescimento dos pelos.

A presença da SOP é um fator importante que merece o acompanhamento do ginecologista. O cuidado e controle ajudam na prevenção de problemas relativamente comuns em mulheres com ovários policísticos, como doenças cardiovasculares, câncer de endométrio, alterações no metabolismo da glicose e risco para o desenvolvimento precoce de diabetes mellitus 2.

Por: AgComunicado