O que Atrai as Pessoas Para Filmes Violentos?


Um estudo aponta as respostas. Veja!

Por que o público é atraído ao derramamento de sangue e a violência? Um estudo recente de pesquisadores da Universidade de Augsburg, na Alemanha, e da Universidade de Wisconsin-Madison, descobriram que as pessoas são mais propensas a assistir a filmes com cenas sangrentas de violência, pois sentiam que havia sentido no confronto com os aspectos violentos da vida real.
 
 
Anne Bartsch, da Universidade de Augsburg na Alemanha e Mares Louise, da Universidade de Wisconsin-Madison, apresentarão suas conclusões na 63º Conferência Anual da Associação Internacional de Comunicação. O estudo analisou se essas motivações eram sérias, contemplativas, e se a busca de exposição a retratos violentos são mais do que apenas um prazer intelectual. Eles convidaram uma grande quantidade de pessoas para a binacional da Alemanha e dos EUA (total de 482 participantes), na faixa etária de 18 a 82 anos, e com diferentes níveis de ensino. Os participantes viram trailers de filmes apresentando diferentes níveis de sangue e significados, e avaliaram a probabilidade de ver o filme completo. Eles também indicaram suas percepções do filme (como sangrento, significativo, instigante, etc.).
 
 
Estudos anteriores sugeriram que as pessoas não são necessariamente atraídas para a violência em si, mas parecem ser atraídos para o conteúdo violento porque antecipam outros sentimentos, como a emoção e o suspense. Estes achados sugerem que tais prazeres hedonistas são apenas parte da história sobre o motivo que voluntariamente nos expõe as cenas de derramamento de sangue e de agressão. Alguns tipos de retratos violentos parecem atrair o público porque eles prometem satisfazer a motivações de busca da verdade, oferecendo conhecimentos significativos em alguns aspectos da condição humana.
 
 
"Talvez as representações de violência que são percebidas como significativas, comoventes, e instigantes podem favorecer a empatia com as vítimas, a admiração por atos de coragem e a beleza moral em face da violência, ou a autorreflexão em relação aos impulsos violentos", disse Bartsch. "Examinar a prevalência de tais respostas pró-sociais e as condições em que ocorrem oferece uma direção teoricamente intrigante e socialmente valiosa para o trabalho futuro".
 
Henrique Torres