O importante é variar o cardápio!


Prato colorido auxilia na redução de peso e previne doenças.

 Diversidade é a palavra-chave na hora de montar o cardápio do dia a dia. Quanto mais colorido for o prato, maiores serão as quantidades de nutrientes ingeridos e absorvidos pelo organismo. Os resultados dessa miscelânea de cores são percebidos tanto na reeducação alimentar e perda de peso, quanto na prevenção de doenças, também graças à predominância dos fitoquímicos.
 
O ideal é seguir uma variedade de pelo menos quatro cores no prato das principais refeições – lembrando que os produtos industrializados não contam. A seleção dos alimentos não devem seguir um critério rigoroso; deve-se apenas seguir as recomendações de um nutricionista para certificar-se de que não há carências ou excessos. 
 
Vermelhos – São ricos em licopeno, substância que dá a cor avermelhada aos alimentos. Tomate, pimentão, melancia e morango são algumas opções comuns, nutritivas e deliciosas encontradas nas feiras, sacolões e mercados. Além de ser um corante natural, o licopeno tem ação desintoxicante, combate os radicais livres e acelera o metabolismo. 
 
Amarelos – Abacaxi, manga, pimentão e milho fazem parte deste grupo rico nas vitaminas A e C, com os antioxidantes betacaroteno e luteína. São indicados para manutenção dos tecidos, do cabelo, aumento da imunidade do organismo e para beneficiar a visão, principalmente a noturna.
 
Verdes – Caracterizados pela presença da clorofila, responsável pela coloração verde do alimento. Potentes energéticos celulares. Além das substâncias luteína e zeaxantina, que protegem contra o câncer de cólon e problemas de degeneração macular. Alface, espinafre, escarola, pimentão, kiwi e abacate são alguns deles.
 
Pretos ou Roxos – São ricos em antocianina, pigmento associado à presença de vitamina B1 no organismo. Alimentos como alcachofra, berinjela, ameixa, uva e repolho roxo são capazes de transformar carboidratos e outros nutrientes em energia.
 
Branco – Favorecem a renovação muscular e têm ação antiinflamatória, antifúngica e antitumoral. O alho, a cebola e a couve-flor são os mais conhecidos, além do palmito, nabo e rabanete. 
 
Marrom – Estes são os queridinhos das dietas que melhoram o trânsito intestinal. Devido às grandes quantidades de fibras nos cereais integrais e sementes oleaginosas, o combate à prisão de ventre fica garantida. 
 
Por: AgComunicado