O Efeito da Insulina na Diabetes Gestacional


Entenda quais as origens e como funciona a Diabetes gestacional.

O efeito da insulina sobre a captação de glicose e no metabolismo.

 

Uma vez que a insulina promove a entrada de glicose na maioria das células, a resistência à insulina impede a glicose de entrar nas células de forma adequada. Como resultado, a glicose permanece na corrente sanguínea, onde faz os níveis de glicose subir. Mais insulina é necessária para superar essa resistência, cerca de 1,5 a 2,5 vezes mais do que a insulina é produzida em uma gravidez normal. A resistência à insulina é um fenômeno normal emergente no segundo trimestre de gravidez, que progride depois aos níveis observados em pacientes não grávidas com diabetes tipo 2. As mulheres com resistência à insulina não podem compensar com a produção aumentada nas células β do pâncreas. Cortisol e progesterona são os principais culpados, mas lactogênio placentário humano prolactina e estradiol podem contribuir também.


Não está claro porque alguns pacientes são incapazes de equilibrar as necessidades de insulina, no entanto, uma série de explicações têm sido dadas, semelhantes aos do diabetes tipo 2: auto-imunidade, as mutações de um único gene, obesidade, e outros mecanismos.


Como a glicose atravessa a placenta, o feto é exposto a níveis mais elevados de glicose. Isso leva ao aumento dos níveis fetais de insulina (a insulina em si não pode atravessar a placenta). Os efeitos estimulantes da insulina podem levar ao crescimento excessivo e um corpo de grandes dimensões. Após o nascimento, o ambiente de glicose desaparece, deixando estes recém-nascidos com alta produção de insulina em curso e suscetibilidade a baixos níveis sanguíneos de glicose (hipoglicemia).

Henrique Torres