O drama para quem sofre de Anafilaxia: a adrenalina autoinjetável ainda não foi liberada no Brasil


ENTENDA SOBRE O QUE É A ANAFILAXIA E QUAL A IMPORTÂNCIA DA ADRENALINA AUTOINJETÁVEL PARA SALVAR VIDAS

A anafilaxia é uma doença grave e aguda que faz parte da realidade de inúmeras pessoas no Brasil que pode levar ao óbito se não for controlada prontamente. Em crises anafiláticas, decorrentes de crises alérgicas, a aplicação da adrenalina autoinjetável é a maneira mais segura para o controle do problema – comprovada por meio de evidências científicas seguras.

A venda da adrenalina autoinjetável ainda não foi liberada no Brasil e este é o grande obstáculo que impede a melhora da qualidade de vida de pessoas alérgicas que podem vir a sofrer uma crise anafilática a qualquer momento.

Foi realizado um abaixo-assinado em 2015 para que a questão em torno da liberação da adrenalina autoinjetável chegasse ao Diretor Presidente da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) Sr. Dirceu Brás Aparecido e ao Ministro da Saúde Dr. Marcelo de Castro.

 

                 COMPREENDENDA SOBRE A ANAFILAXIA E SUA GRAVIDADE

 

Segundo o artigo Anafilaxia no Brasil - Levantamento da ASBAI (2010), a anafilaxia ou reação anafilática é uma reação do sistema imunológico. Tecnicamente, pode ser referida como uma reação sistêmica aguda, grave, que pode acometer vários órgãos e sistemas no organismo (simultaneamente). 

Já de acordo com o documento Anafilaxia: guia prático para o manejo (2006), uma crise anafilática pode compreender manifestações cutâneas, comprometimento do aparelho respiratório, do sistema cardiovascular, do sistema nervoso e gastrointestinal. Mas o que torna o problema ainda mais complexo e preocupante é a possibilidade de levar a pessoa ao óbito – inclusive em estado previamente saudável.

A médica alergista e coordenadora do Grupo de Anafilaxia - ASBAI, Elaine Gagete Miranda da Silva, alerta que ainda não há um número preciso de quantos anafiláticos existem no Brasil: 

 

“Estamos finalizando uma pesquisa sobre isso e logo aparecerão tais números. Talvez seja por falta dessas pesquisas epidemiológicas aqui no país, que mostrem a situação das pessoas que passam por isso, é que não temos mais ênfase nesse problema. O Brasil tem tantos desafios na área da saúde que este está sendo colocado em segundo plano. É realmente uma pena, pois as alergias estão aumentando no mundo todo e precisamos cuidar das pessoas que sofrem dessa grave doença”.

 

A especialista explica que a anafilaxia pode ocorrer em qualquer idade, mas destaca que em crianças pequenas e em idosos o quadro pode ser mais grave, embora em qualquer faixa etária seja preocupante. Por se tratar de um quadro imprevisível, após a primeira crise anafilática, há a necessidade de a pessoa procurar um alergista para tentar descobrir o que ocasionou a reação e para que todos os cuidados sejam tomados a fim de prevenir novos episódios.

    

SOBRE A ADRENALINA AUTOINJETÁVEL E A SUA EFICÁCIA PARA REVERTER QUADROS DE ANAFILAXIA

 

O artigo espanhol ¿Qué es la adrenalina? (O que é a adrenalina?) procura esclarecer sobre a importância dessa substância também chamada de epinefrina, para reverter quadros anafiláticos. Em um caso de alergia que gere uma crise anafilática, a adrenalina pode agir imediatamente tirando a pessoa do quadro de risco. E como? A substância aumenta a pressão arterial, aumenta os níveis de glicose no sangue, acelera os batimentos cardíacos e dilata os brônquios. 

Segundo a alergista, calcula-se que haja de 0,3% a 0,6% de mortes a cada milhão de pessoas ao ano, causadas por anafilaxia. A médica explica que no Brasil foi realizada uma pesquisa baseada nos atestados de óbitos há aproximadamente 3-4 anos e encontrou-se o dado de 0,87% de mortes a cada milhão de pessoas ao ano, mas se trata de um índice provavelmente abaixo da realidade devido à subnotificação (notificação abaixo do esperado).

A coordenadora do grupo de Anafilaxia alerta sobre a necessidade da liberação da adrenalina autoinjetável no Brasil e sobre a importância do medicamento para salvar vidas e melhorar a qualidade de vida de quem sofre de alergia e já enfrentou um quadro de anafilaxia:

 

“A adrenalina é o único medicamento capaz de reverter um quadro grave de anafilaxia e prevenir a morte. Vejo muitas vezes pacientes serem orientados a carregar antialérgico e corticoide após a crise anafilática. Isso não resolve! Esses medicamentos demoram mais de 30 minutos para agir! Somente a adrenalina é rápida o suficiente para salvar a vida dessas pessoas”.

 

A anafilaxia é uma resposta do sistema imunológico a determinado alérgeno (pode ocorrer decorrente de picada de inseto, do consumo de determinado alimento, do contato com alguma substância presente no ar, do contato com o látex etc.). 

 

       SERÁ QUE QUALQUER PESSOA PODE VIR A DESENVOLVER ALGUMA ALERGIA? 

 

A alergista esclarece que teoricamente qualquer pessoa pode vir a desenvolver um quadro alérgico, mas alerta que há fatores genéticos que são determinantes e que pessoas que já têm alguma doença alérgica ou uma doença conhecida como mastocitose, são mais suscetíveis: “Existem vários estudos atualmente tentando entender essa questão. Como a anafilaxia aumentou significativamente nos últimos anos, especialmente as de causa alimentar, é certo que fatores do meio ambiente também são importantes. Afinal, a genética não muda tão rápido assim. Estilo de vida, alimentação mais artificial, aumento da poluição, diminuição do aleitamento materno, tudo isso pode influenciar, mas exatamente o porquê e quem terá anafilaxia, não se sabe”.

O mais importante é que as mobilizações em torno da conscientização do problema não parem. São muitas as demandas de saúde no Brasil e provavelmente exista um grau de importância ao tratá-las.  E neste caso, não seria desumano comparar qual o problema mais grave, quando se trata de salvar vidas? 


 

Elaine Gagete Miranda da Silva - Médica alergista - Coordenadora do Grupo de Anafilaxia - ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunologia)

 

 

 


 

FONTES

 

Anafilaxia: guia prático para o manejo. 2006. Realizado por: Luiz Antonio G. Bernd; Dirceu Solé; Antônio C. Pastorino; Evandro A. do Prado; Fábio F. Morato Castro; Maria Cândida V Rizzo; Nelson A. Rosário Filho; Wilson T. Aun: www.asbai.org.br/revistas/Vol296/ART_6_06_Anafilaxia_guia_pratico.pdf

Anafilaxia no Brasil – Levantamento da ASBAI. 2010. Realizado por: Luiz A. G. Bernd (RS); Fernanda Fleig (RS); Manoel B. Alves (SC); Rosangela Bertozzo (MT); Magna Coelho (MG); Joaquina Correia (MG); Giovanni M. S. Di Gesu (RS); Regina W. Di Gesu (RS); Mario Geller (RJ); João Mazzolla (RS); Celso H. de Oliveira (SP); Dória S. A. Peixoto (ES); Emanuel Sarinho (PE); Elaine G. Silva (SP): www.sbai.org.br/revistas/vol335/anafilaxia_brasil_33_5.pdf

¿Qué es la adrenalina? SEICAP - Web para pacientes alérgicos la Sociedad Española de Inmunología Clínica, Alergología y Asma Pediátrica. (Site para pacientes alérgicos da Sociedade Espanhola de Imunologia Clínica, Alergologia e Asma Pediátrica: http://pacientes.seicap.es/es/-qu%C3%A9-es-la-adrenalina-_24165

Precisamos de adrenalina autoinjetável no Brasil! Abaixo -assinado: https://www.change.org/p/diretor-presidente-da-anvisa-sr-dirceu-br%C3%A1s-aparecido-barbano-ministro-da-sa%C3%BAde-sr-marcelo-castro-precisamos-de-adrenalina-autoinjet%C3%A1vel-no-brasil?recruiter=415734110&utm_source=share_petition&utm_medium=copylink

 

 

 

Daiana Barasa