O Diagnóstico das Osteoporose


Entenda por quais meios se dá o diagnóstico da osteoporose.


Diagnóstico da Osteoporose

 

Múltiplas fraturas osteoporóticas são diagnosticadas através de um raio X da coluna lateral de toraco-lombar. Um scanner utilizado para medir a densidade óssea com absortometria de raio-X de dupla energia. O diagnóstico da osteoporose pode ser feito usando a radiografia convencional e medindo a densidade mineral óssea (BMD). O método mais popular de medir BMD é absortometria de raio-x de dupla energia (DXA ou DEXA). Além da detecção de BMD anormal, o diagnóstico de osteoporose requer investigações de causas potencialmente modificáveis. Isso pode ser feito com exames de sangue. Dependendo a probabilidade de um problema subjacente, investigações para câncer com metástase para o osso, mieloma múltiplo, doença de Cushing e outras causas acima mencionadas podem ser realizadas.

 

Osso trabecular ou esponjoso é o osso esponjoso nas extremidades dos ossos longos e vértebras. Osso cortical é o escudo exterior duro de ossos e no meio dos ossos longos. Porque osteoblastos e osteoclastos habitam a superfície dos ossos, o osso trabecular é mais ativo, mais sujeitos a remodelação óssea, remodelação. Não só é a diminuição da densidade óssea, mas a microarquitetura óssea é interrompida. As mais fracas espículas de osso trabecular quebram ("microfissuras") e são substituídas por ossos mais fracos. Locais comuns de fratura osteoporótica, punho, quadril e coluna vertebral, tem um osso trabecular relativamente alto à proporção de osso cortical. Estas áreas contam com osso trabecular para a força, e, portanto a remodelação intensa faz com que essas áreas sedegenerem mais quando a remodelação é desequilibrada. Em torno de 30-35 anos, começa a perda de osso esponjoso ou trabecular. As mulheres podem perder até 50%, enquanto os homens perdem cerca de 30%.

Henrique Torres