O câncer que vem da radiação médica: compreenda sobre o assunto


O tipo de câncer mais incidente em casos de exposição à radiação é o câncer de tireóide

Você já leu algo sobre a influência da radiação emitida em exames radiológicos no surgimento do câncer? É o que diversos estudos científicos ao redor do mundo têm apontado, principalmente nos Estados Unidos.

A médica e especialista internacional em Ultrassonografia, Lucy Kerr, explica que a tomografia computadorizada é no momento a maior “vilã” mesmo apesar de representar apenas 15% dos exames totais radiológicos que são realizados, este tipo de exame é responsável por metade da radiação a que a população está exposta. Já 25% ou um quarto de toda a radiação a que a população está submetida advém da radiação de fundo.

A especialista esclarece que a radiação de fundo é aquela que todas as pessoas recebem, trata-se da radiação do solo e das rochas. Na região brasileira do Espírito Santo, por exemplo, há a areia monazítica, que tornou a praia de Guarapari famosa, assim como há no Morro do Ferro em Minas Gerais, uma quantidade muito grande de radiação:

“Há minas de urânio, de radio, e isso representa a radiação de fundo que emana do solo e das rochas. Mas a principal radiação é o gás radônio que é o resultado da metabolização do urânio, que inicialmente se transforma em radio e depois ele se transforma em gás radônio que evapora pela superfície da crosta terrestre.”

A médica acrescenta que sobre essas regiões com alta concentração de radiação, são construídas casas, prédios e sem a devida vedação no alicerce das construções para impedir que o gás penetre nos ambientes, e nas gretas e vãos dos alicerces começa a exalar esse gás (sem qualquer odor), que não pode ser penetrado pela pele, mas uma vez inalado, esse gás se acumula e não sai mais do pulmão:

“Essa radiação do gás radônio já representa a segunda causa nos Estados Unidos de câncer de pulmão. Já a radiação cósmica ninguém pode evitar, e com a degradação da camada de ozônio, estamos mais expostos a esse tipo de radiação. Quando alguém, por exemplo, faz um voo internacional e fica acima da camada de ozônio, recebe maior carga de radiação cósmica.”

Mas a especialista explica que há atividades humanas que submetem pessoas a uma carga maior de radiação, como é o caso dos médicos que realizam cateterismos cardíacos, fluoroscopia: “Mesmo que eles coloquem os aventais e proteções, não conseguem se proteger absolutamente, estão mais expostos à radiação do que pessoas que não lidam com a medicina”.

O tipo de câncer mais incidente em casos de exposição à radiação é o câncer de tireóide. Veja a matéria Aumento no número de casos de câncer de tireóide está relacionado com a radiação médica

De acordo com a pesquisa Carcinoma diferenciado da tireóide, os nódulos tireoidianos conhecidos como carcinoma folicular, acometem pessoas de faixa etária mais avançada, e é três vezes mais frequente em mulheres. 

“Estudos apontam que o número de casos de câncer de tireóide em mulheres, aumentou 3 vezes nos últimos 30 anos, e hoje já é o terceiro câncer mais comum em mulheres abaixo apenas do câncer de mama e de pele. Mas os casos de câncer de tireóide avançados, estão aumentando, e recentemente foi relatado pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, casos de mortalidade por conta do câncer tireoidiano, principalmente entre homens”, alerta a especialista.

De acordo com artigo publicado pelo Instituto Oncoguia, a radiação médica, pode corromper o DNA humano, e 10, 20 anos mais tarde, um câncer pode se desenvolver. As tomografias computadorizadas, por exemplo, expõe três quartos da população americana a uma radiação de 100 a 500 vezes mais intensidade do que a de um exame de raio X convencional.

A médica destaca que não é apenas a glândula tireoidiana que é acometida pela radiação médica, mas as regiões como mama, pulmão e fígado, também podem ser acometidas, mas ainda assim, o câncer de tireóide por radiação ultrapassa as demais incidências.

 

TERAPIA-ALVO EM CASOS DE CÂNCER DE TIREÓIDE 

 

De acordo com ao artigo Terapia alvo no tratamento de câncer de tireóide, uma das drogas que podem ser utilizadas na terapia-alvo do câncer de tireóide é o sorafenibe, que é conhecido como droga inibidora da tirosina quinase, o medicamento age bloqueando a formação de novos vasos sanguíneos, impedindo o crescimento de novos tumores. Proteínas produzidas pelos tumores cancerígenos e responsáveis pelo crescimento desses tumores, também são inibidas por meio da utilização de sorafenibe.

Outros medicamentos, como é o caso do pazopanibe e sunitinibe, também têm sido indicados em casos de câncer de tireóide papilar e folicular, e podem ser úteis e bem recebidos no tratamento da doença em algumas pessoas.

Mas vale lembrar que quaisquer medicamentos só podem ser utilizados sob prescrição médica.

Leia também a matéria Radiação médica: o diagnóstico que pode virar câncer


 

Dra. Lucy Kerr – Médica formada pela USP, especialista em Ultrassonografia. Reconhecida como Ultrassonografista pela Sociedade Brasileira de Ultrassonografia (SBUS); é especialista internacional na mesma área pela Federação Internacional das Sociedades de Ultrassonografia da América Latina (FISUSAL). Também possui título internacional pela American Register of Diagnostic Medical Sonography (ARDMS), nos EUA.
Pioneira na área de Ultrassonografia no Brasil, assim como é pioneira na introdução dos exames Doppler e Elastografia. É uma especialista em constante atividade de pesquisa e que procura sempre novas metodologias que poderão fazer a diferença na obtenção de diagnósticos e na Medicina em um âmbito geral.

Site: www.portallucykerr.com

 


FONTES

CONASAÚDE. Congresso Nacional de Saúde.

Carcinoma diferenciado da tireóide (papilífero e folicular): diagnóstico e conduta. Realizado por: Rui M. B. Maciel: www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27301998000400011

Saúde pessoal: níveis de radiação aumentam, trazendo riscos frequentemente ignorados. Instituto Oncoguia: www.oncoguia.org.br/conteudo/saude-pessoal-niveis-de-radiacao-aumentam-trazendo-riscos-frequentemente-ignorados/2058/7

Terapia alvo no tratamento de câncer de tireóide. Instituto Oncoguia: www.oncoguia.org.br/conteudo/terapia-alvo-no-tratamento-do-cancer-%20de-tireoide/1891/236/

 

Daiana Barasa