O benefício de mastigar bem o seu alimento!


Mastigar bem o seu alimento pode ajudá-lo a manter os níveis de energia, de acordo com um estudo.

 
 
Mastigar bem o seu alimento pode ajudá-lo a manter os níveis de energia, de acordo com um estudo apresentado no Institute of Food Technologists 2013 (IFT), em Chicago. No estudo, realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Purdue, West Lafayette, Indiana, os participantes foram obrigados a mastigar amêndoas, enquanto que a quantidade de gordura fecal e energia perdida foi medida.
 
 
Os participantes mastigaram as amêndoas 10 vezes, 25 vezes ou 40 vezes. Os resultados mostraram que nos participantes que mastigaram mais vezes as amêndoas, partículas menores foram inseridas e absorvidas pelo sistema a um ritmo mais rápido. Naqueles participantes que mastigaram por menos vezes as amêndoas, o corpo eliminou as partículas maiores para o corpo.
 
 
O Dr. Richard Mattes, professor de Alimentos e Nutrição da Universidade Purdue, explica: "O tamanho da partícula afeta a biodisponibilidade da energia do alimento que está a ser consumido. Quanto mais se mastiga, menos é perdido e mais é retido no corpo".
 
 
O Dr. Mattes diz que cada indivíduo tem seu próprio hábito de mastigar e, embora isso possa ser difícil de se mudar, ele deve ser considerado ao fazer escolhas de alimentos energéticos. Ele explica: "Se o objetivo é a proteína, toda a amêndoa é provavelmente o alimento que você quer. Se você está interessado em maximizar a ingestão de vitamina E, amêndoas, manteiga ou óleo de amêndoa pode ser uma melhor escolha".
 
 
Fibras de frutas, legumes e cereais integrais são alimentos com mais fontes de energia, o Dr. Mattes acrescenta. "Quando a sua dieta total é mais rica em fibras, há uma maior perda de gordura. A fibra se liga a ácidos graxos para criar fontes de energia no corpo".
 
 
Um estudo separado, também apresentado na Reunião Anual da IFT, pelo Dr. Roger Clemens, diretor científico da Empresa de La Mirada, Califórnia, mostra que os cientistas continuam a estimar quanta energia provém dos alimentos com base em cálculos criados mais de 125 anos atrás.
 
 
O Dr. Clemens diz que há muitas coisas que podem ter um impacto sobre a eficiência com que o corpo leva energia dos alimentos ou ingredientes à base de plantas, principalmente alimentos ricos em fibras, cereais e extratos vegetais, nozes e sementes. Com base nisso ele acrescenta que são necessários mais estudos para aumentar a compreensão da digestibilidade dos alimentos de origem vegetal, o que poderia levar a uma melhor rotulagem do produto.
Henrique Torres