Vírus Chickungunya atinge vítimas brasileiras


O mosquito transmissor também é alojado em água parada, apresentando sintomas semelhantes a dengue



O mosquito transmissor também é alojado em água parada, apresentando sintomas semelhantes a dengue 
 
Além da epidemia de dengue existe outra doença infecciosa da qual devemos nos preocupar: a febre Chickungunya. A doença é transmitida por um mosquito que era comum somente na região da África e hoje está presente também na América. Recentemente o  vírus Chickungunya foi encontrado no Caribe, Guiana Francesa e no Amapá. 
 
Atualmente, no Brasil a preocupação é com o Aedes aegypti, o mosquito transmissor da dengue que gera diversas vítimas em todo o país. O vírus CHIKV é transmitido de maneira muito rápida. Depois de sete dias após ser infectado pode alastrar a doença para uma população que não possui nenhum tipo de anticorpo contra ele. No momento o objetivo é atentar-se contra esta nova praga para que não se alastre e atinja novas vitimas.  

Sintomas 
 
  • Dor de cabeça 
  • Dor muscular 
  • Erupção de pele 
  • Conjuntivite 
  • Dor nas articulações 
  • Febre alta 
 
Os sintomas do vírus Chickungunya é muito semelhante com as características da dengue, embora existam algumas diferenças. Ao contrário da dengue, não existe forma hemorrágica do vírus CHIKV, as causas são menos graves, contudo, os sintomas de artrite ainda permanecem por um bom tempo após a picada. O diagnóstico da doença é feito de maneira minuciosa e laboratorial. As mostras de sangue são coletadas e enviadas para laboratórios de âmbito nacional. Ao existirem casos de CHIKV os órgãos oficiais de saúde devem ser notificados em até 24 horas. 
 
Tratamento 
 
O tratamento da doença é feito através de medicamentos como analgésicos e antitérmicos para amenizar os sintomas. De acordo com especialistas, o ideal é manter o indivíduo muito bem hidratado para agilizar a recuperação. A febre com um tempo cessa, mas as dores nas articulações prosseguem, por este motivo são indicados medicamentos anti-inflamatórios e fisioterapias. 
 
Embora não exista ainda nenhuma vacina contra o vírus Chickungunya, a prevenção pode ser feita através de medidas simples no dia a dia que amenizam proliferação do mosquito transmissor. Assim como o transmissor da dengue, o CHIKV também se aloja onde houver água parada.  

Brasil 
 
No Brasil, por enquanto, foi registrado a infecção em três pessoas. As vítimas foram infectadas em um dos países em que o vírus se proliferou.  O risco de transmissão local é ainda maior agora, principalmente com a chegada da Copa do Mundo este ano e outros eventos que trarão turistas. Contudo, segundo dados do Ministério da Saúde o país está atento quanto a esse risco e disponibiliza a vigilância sanitária e os serviços de saúde para dar uma atenção especial a estes casos.  
 
Juliana Rodrigues