Neurotransmissor serotonina desempenha diferentes papéis na função vital


Molécula está intimamente relacionada à qualidade do sono e sensação de bem estar

Os neurotransmissores são substâncias criadas pelos neurônios cerebrais e atuam basicamente levando informações por meio dessas células nervosas. Existem diferentes tipos de neurotransmissores, cada qual com suas funções específicas. Hoje destacaremos o neurotransmissor serotonina, que desempenha diferentes papéis em nossa função vital.

A serotonina controla a liberação de certos hormônios e o ritmo circadiano, relacionado ao apetite e ao sono. É conhecida como a substância do humor. Quando as taxas de produção de serotonina estão normais e a sua transmissão ocorre regularmente, a pessoa apresenta maior disposição e bom humor nas tarefas diárias. A ingestão de alimentos que contenham triptofano, precursor da serotonina, pode influenciar a qualidade da transmissão de serotonina no cérebro. O triptofano pode ser encontrado no leite desnatado, iogurte, nozes, castanhas, soja, abacate e na banana, por exemplo. O consumo destes alimentos pode ser diário e, de preferência, pela manhã, para que os efeitos de maior bem estar possam ser sentidos ao longo do dia. Fazer exercícios físicos, ouvir música ou tomar um pouco de sol também ajuda a produzir serotonina.

Vários medicamentos modernos voltados ao tratamento da ansiedade, depressão, esquizofrenia e enxaqueca, por exemplo, controlam a atuação da serotonina no cérebro. Eles influem nos receptores da serotonina por meio da redução da sua recaptação, como é caso da fluoxetina, e têm um papel importante no tratamento e controle desses problemas. A disponibilidade do neurotransmissor aumenta e, com ela, a disposição do indivíduo. Mais disposto, as dores – sejam elas físicas ou mentais – são aliviadas.

Existe também uma relação entre a serotonina e a saciedade e obesidade. Quando a atuação do neurotransmissor não está normal, há maior propensão para se abusar de doces e massas. Importante destacar que uma hipótese é que o desbalanceamento cerebral desse neurotransmissor não é a causa dos problemas de saúde acima mencionados, e sim consequência do seu desenvolvimento.

 

Por: AgComunicado