Nem toda dor de cabeça é enxaqueca


Na enxaqueca, a dor de cabeça não é sintoma, mas a própria doença

Em meio à conturbação da rotina, não é difícil confundir dor de cabeça com cansaço ou tensão. No entanto, o incômodo – muitas vezes quase insuportável – pode ser sinal de algo crônico, como a enxaqueca. 
 
Na verdade, sentir dor de cabeça é comum. Segundo a Organização Mundial da Saúde 
(OMS),  99% da população mundial já se queixou ou poderá se queixar de dor de cabeça ao longo da vida. Porém, o que nem todos sabem é que existem mais de 200 variações da dor de cabeça (ou cefaleia), com sintomas e tratamentos distintos. 
 
Há quem diga a dor de cabeça é mais intensa é enxaqueca, mas há diferença entre uma e outra. A dor de cabeça, independente da causa ou intensidade, pode decorrer como sintoma de estresse diários ou sinalizar alguma outra doença. Neste caso, uma vez que a doença é diagnosticada e tratada (por exemplo: sinusite, gripe, resfriado), a dor de cabeça desaparece. Raramente, pode sinalizar alguma doença mais grave (meningite, tumor cerebral, entre outros). Por outro lado, na enxaqueca, a dor de cabeça não é sintoma, e sim a própria doença.
 
A enxaqueca é uma doença crônica que pode ser desencadeada por alterações do sono (insônia ou sono excessivo), esforços físicos, alterações hormonais ou no ciclo menstrual, estresse, excesso de bebida alcoólica, entre outros. A causa costuma variar, a depender do estilo de vida e histórico de saúde de cada pessoa. 
 
As estimas indicam que, no Brasil, 17% das mulheres e 7% dos homens sofrem de enxaqueca. Os principais sintomas são dores latejantes – geralmente na metade da cabeça – que podem permanecer por até 72 horas. 
 
Por não se tratar do mesmo problema, o medicamento para uma dor de cabeça pode não ser útil para tratar a enxaqueca. Por isto, é essencial que a pessoa consulte o médico para o correto diagnóstico e tratamento. Não há cura para a enxaqueca, mas os portadores já contam com tratamentos que a controlam e reduzem sua frequência, duração e intensidade.
 
Por: AgComunicado