Medidas essenciais para a prevenção do Zika vírus em adultos e em crianças


Fique por dentro

Com a gravidade por conta do aumento dos casos de microcefalia no Brasil e a relação com o mosquito Aedes aegypti (transmissor do zika vírus), torna-se essencial esclarecimentos em torno da prevenção da contaminação.

Principalmente na região do nordeste brasileiro, o surto de contaminação tem se expandido e outras regiões também têm sido afetadas. Pesquisas recentes apontam a relação de bebês nascidos com microcefalia com a contaminação do zika vírus. 

Por mais difícil que seja manter a calma em momentos como esses, é importante tomar precauções contra a presença do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus.

O mosquito só ataca durante o dia. A contaminação ocorre após a picada. A doença é curada espontaneamente, mas pode causar muitos incômodos, principalmente em crianças. 

O vírus Zika pode levar até 12 dias até a manifestação e os sintomas até a cura levam de 2 a 7 dias. O que causa? Podem surgir manchas pelo corpo, pequenas pintas vermelhas no rosco e no tronco, dores de cabeça, conjuntivite e febre baixa. As crianças principalmente, podem se sentir muito incomodadas por conta da coceira e em casos de contaminação é importante que as unhas estejam curtas e sempre limpas.

Em adultos, é mais comum que ocorram dores nas articulações, conhecidas como artralgia.

Em casos de quaisquer sintomas, é fundamental procurar um médico. Em casos de febre, antitérmicos costumam ser indicados, mas vale lembrar que nenhum medicamento a base de ácido acetilsalicílico deve ser utilizado.

O cuidado após contaminação é o mesmo em casos de dengue ou de febre Chikungunya. É fundamental manter repouso e beber muita água filtrada ao longo do dia, assim como a alimentação deve ser leve e rica em nutrientes.

Prevenção em primeiro lugar

Para prevenir a presença do mosquito é fundamental tomar os mesmos cuidados em casos de dengue. Evite o acúmulo de água em vasos de plantas, em pneus velhos, mantenha as caixas de água devidamente tampadas. Manter as portas fechadas e janelas com proteção de tela é indicado. 

As roupas também podem ser um meio de prevenção. Calças compridas e mangas longas ajudam na proteção contra o mosquito. Cores vivas atraem a presença do inseto, por isso, o ideal são roupas brancas.

Em relação à utilização de repelentes, alguns cuidados devem ser tomados. Os produtos devem conter, segundo orientação da Organização Mundial da Saúde, os princípios ativos Deet, que podem ser aplicados em crianças com idade superior a 2 anos. Em casos de crianças menores o produto indicado é o IR 3535, mas ainda assim é importante que um pediatra seja consultado para verificar.

Enquanto a vacina não chega, vale tomar todas as precauções necessárias. Todos na luta contra o Aedes aegypti!

Daiana Barasa