Medicamento “4 em 1” é testado em pacientes com histórico de doença cardiovascular


Estudos são realizados pelo HCor

As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no país. Agora, uma pílula que reúne 4 medicamentos capazes de combater essas  enfermidades passará a ser testada em 22 hospitais brasileiros nos próximos meses. Ela é chamada de “superpílula” ou “polipílula”, e é um remédio que não traz efeitos adversos diferentes dos já esperados no tratamento convencional desses pacientes, tais como dores de estômago e cabeça, náuseas e sangramentos.

Os estudos do Ministério da Saúde em parceria com o Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital do Coração (Hcor), de São Paulo, indicam que essa medicação pode diminuir os riscos de um indivíduo sofrer AVC (acidente vascular cerebral) ou enfarte em aproximadamente 60%. Ela combina algumas substâncias que controlam a pressão arterial e o colesterol e evitam o entupimento dos vasos sanguíneos cardíacos.

A função de prevenção da medicação já foi comprovada. O objetivo agora é checar os efeitos em 2 mil pacientes brasileiros com histórico de doença cardiovascular, por um período de 18 meses. No total, 8 mil pessoas testarão o medicamento no mundo. Outros países participarão dessa etapa. O tratamento experimental deverá ter início no final do ano. Com os resultados, o Ministério da Saúde poderá incluir o remédio entre aqueles que são distribuídos de forma gratuita, já a partir de 2013.

A superpílula está na fase regulatória na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), assim como nos comitês éticos hospitalares. Os resultados da primeira fase de testes foram animadores. Da primeira fase participaram 400 voluntários que apresentavam risco cardiovascular moderado, ou seja, que nunca sofreram nenhum episódio de AVC ou enfarte, porém apresentaram predisposição por conta de fatores como sedentarismo, tabagismo, pressão alta e obesidade. Os estudos tiveram inicio em 2006.  
     
Por: AgComunicado