Jovens que gostam de sair são mais felizes na vida adulta!


Um estudo descobriu que as pessoas que são de temperamento extrovertido e gostam de sair no início da vida adulta se transformam em idosos mais felizes.

 
 
Um raro trabalho de investigação publicado recentemente em uma edição on-line do Journal of Research in Personality descobriu que as pessoas que são de temperamento extrovertido e gostam de sair no início da vida adulta se transformam em idosos mais felizes e mais satisfeitos do que os seus pares mais sombrios e introvertidos. Liderado pela Universidade de Southampton, no Reino Unido, o estudo analisa a relação entre as personalidades medidas na juventude e o bem-estar destes jovens quatro décadas mais tarde, e também como o fator psicológico e a saúde física interferem. 
 
 
A autora do estudo, Dra. Catharine Gale, diz em um comunicado: "Poucos estudos analisaram a influência em longo prazo dos traços da personalidade na juventude sobre a felicidade e a satisfação com a vida na velhice". A Dra. Gale e seus colegas compararam medidas de neuroticismo e extroversão avaliadas aos 16 e 26 anos de idade, com medidas de bem-estar mental e satisfação com a vida avaliada entre as idades de 60 e 64 anos.
 
 
Os participantes do estudo foram 4.583 pessoas que participaram da Pesquisa Nacional de Saúde e Desenvolvimento, que é gerido pelo Conselho de Pesquisa Médica. Todos os indivíduos nasceram em 1946 e completaram os questionários de personalidade aos 16 anos e novamente aos 26 anos. Para avaliar a extroversão, o questionário perguntou aos participantes sobre a sua sociabilidade, energia e atividades, humor, a estabilidade emocional e a facilidade de distração.
 
 
Em seguida, cerca de quarenta anos mais tarde, quando os sujeitos tinham entre 60 e 64 anos, mais da metade deles preencheram questionários destinados a medir o bem-estar e satisfação com a vida, além de avaliar a saúde mental e física. A equipe descobriu um padrão distinto quando analisaram os dados. Eles descobriram que os traços de personalidade moldada pela idade adulta parecem ter uma influência duradoura décadas mais tarde.
 
 
A Dra. Gale explica: "Descobrimos que a extroversão na juventude teve efeitos diretos e positivos sobre o bem-estar e a satisfação com a vida. O Neuroticismo, em contrapartida, teve um impacto negativo, principalmente porque ele tende a tornar as pessoas mais suscetíveis a sentimentos de ansiedade e depressão e para a saúde física e problemas". Assim, as pontuações mais altas em extroversão (com mais energia, mais extrovertido, sociável e ativo) na idade adulta jovem foram diretamente ligadas à maior pontuação para o bem estar e a satisfação de vida décadas posteriores.
 
Henrique Torres